Presidente do Eurogrupo diz que Juncker não deve explicações

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, disse que cabe ao atual primeiro-ministro do Luxemburgo, e não a Jean-Claude Juncker, explicar os acordos secretos feitos com empresas para pagarem menos impostos. À chegada à reunião dos ministros da Economia e Finanças da União Europeia (Ecofin), em Bruxelas, Jeroen Dijsselbloem reagiu à polémica que envolve o atual […]

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, disse que cabe ao atual primeiro-ministro do Luxemburgo, e não a Jean-Claude Juncker, explicar os acordos secretos feitos com empresas para pagarem menos impostos.

À chegada à reunião dos ministros da Economia e Finanças da União Europeia (Ecofin), em Bruxelas, Jeroen Dijsselbloem reagiu à polémica que envolve o atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, considerando que é “o chefe do Governo [do Luxemburgo] o responsável pelas ações políticas e também as do passado” pelo que deve ser Xavier Bettel a dar explicações.

Para o ministro das Finanças da Holanda, uma vez que Juncker é agora presidente da Comissão Europeia só deve falar das suas funções atuais, pelo que “cabe ao chefe do Governo do Luxemburgo explicar as políticas”, mesmo as do passado, estando prevista uma conferência de imprensa para hoje.

Uma investigação jornalística internacional divulgou na quinta-feira o chamado caso ‘Luxembourg Leaks’, sobre acordos secretos que mais de 300 empresas fizeram com o Governo do Grão-Ducado para fugir aos impostos noutros países.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Emirados Árabes Unidos vão fornecer à Alemanha gás liquefeito e gasóleo em 2022 e 2023

Segundo a agência noticiosa oficial dos Emirados, Wam, o acordo prevê a exportação de uma carga de gás natural liquefeito (GNL) para a Alemanha no final de 2022, seguida do fornecimento de quantidades adicionais em 2023.

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,