Presidente do Governo dos Açores apela à “capacidade empreendedora” dos EUA para criar riqueza na região

O presidente do Governo Regional referiu ainda a “ambição de um futuro mais envolvente para as relações económicas e educacionais e culturais” entre os Açores e os EUA.

O presidente do Governo dos Açores apelou, este domingo, à “capacidade empreendedora” dos Estados Unidos da América, nomeadamente dos descendentes açorianos, para “criar riqueza” no arquipélago, recusando a ideia de que é “pequeno e longe de tudo”.

“Queremos contrapor a ideia de que o território açoriano é pequeno e longe de tudo. Se virmos o território para além da componente terrestre e pensarmos no espaço marítimo, olhando para a dimensão do mar e do espaço, associados à investigação e novas tecnologias, podemos ser uma referência para o mundo, não apenas para a região ou para Portugal ou para a Europa”, afirmou José Manuel Bolieiro em Fall River.

Os Açores, disse, estão localizados entre “o velho e novo mundo” e têm “referências importantíssimas para dar ao mundo”, nomeadamente em termos da preservação da natureza ou da biodiversidade e, “bem associados às universidades e à capacidade empreendedora dos EUA”, podem “criar riqueza”, notou.

O chefe do executivo açoriano falava durante um encontro com a PALCUS – Portuguese American Leadership Council of the United States, onde participaram também senadores e deputados do Estado de Massachussets, os Mayor’s (presidentes de câmara) de Fall River e East Providence, o presidente das Grandes Festas do Divino Espírito Santo de Nova Inglaterra, dirigentes da Universidade Massachussets-Lowell e o cônsul de Portugal em New Bedford, entre outras personalidades.

“Acredito no futuro dos Açores com esta associação – mar, ciência, novas tecnologias, desenvolvimento sustentável, transição energética. Acredito que podemos ser um bom parceiro dos EUA que se preocupam com as gerações vindouras”, afirmou.

O presidente do Governo Regional referiu ainda a “ambição de um futuro mais envolvente para as relações económicas e educacionais e culturais” entre os Açores e os EUA.

“Temos algumas iniciativas do governo que vão juntar-se para a descoberta da capacidade dos Açores para atrair investimento. Para que possam encontrar nos açores uma terra de oportunidades de negócio e investimento”, alertou.

Referindo-se ao “erro grave europeu da burocracia e da carga fiscal”, Boleiro defendeu a necessidade de “trabalharem em conjunto para, com honestidade e transparência, esclarecer os problemas da burocracia e da carga fiscal” para potenciais investidores.

“O Governo dos Açores já diminuiu ao máximo a carga fiscal. Mas o domínio da competência da autonomia é muito limitado. Tudo faremos para ajudar a esclarecer investidores sobre burocracia”, assegurou.

O chefe do executivo manifestou também o forte empenho “numa relação pelo conhecimento e educação” com os EUA.

Bolieiro agradeceu ainda aos organizadores das Grandes Festas do Divino Espírito Santo de Nova Inglaterra, nos EUA, pela “verdadeira expressão” das raízes açorianas.

Manifestou igualmente “gratidão ao povo norte-americano e à sua democracia, pelo acolhimento étnico das tradições dos outros”.

Referindo-se ao autarca de Fall River, elogiou o facto de “condicionar a vida normal da cidade para a realização das festas” e para a comunidade descendente de açorianos “exibir as suas tradições”, designadamente com o desfile etnográfico e a procissão, que percorrem várias ruas daquela cidade do estado de Massachussets.

“Os EUA merecem a nossa vénia porque nos aceitam como somos e aceitam o nosso contributo para a comunidade”, observou.

O presidente do Governo dos Açores iniciou na quinta-feira uma visita de seis dias a Massachusetts e Rhode Island, para contactos com a universidade de Lowell e empresários e participação nas Festas do Divino Espírito Santo.

Hoje, participou na Missa Solene das Grandes Festas, na Catedral de Santa Maria, e na procissão da Coroação das Grandes Festas.

Para segunda-feira, está agendado, pelas 10:00 locais (14:00 nos Açores, 15:00 em Lisboa), um encontro com o Governador do Estado de Rhode Island, Daniel McKee, na State House de Providence.

Às 15:00, o presidente do Governo visita a exposição de Domingos Rebelo, na galeria do Whaling Museum.

Para as 16:00 está marcada a sessão de apresentação do Projeto Bellis Azórica, patrocinado pelo Governo dos Açores, para edição norte-americana de obras emblemáticas da literatura açoriana, com participação dos Professores Mário Duarte (UMass Datmouth) e Francisco Cota Fagundes (UMass Amherst), no auditório do Whaling Museum.

Às 18:00, a comitiva participa no banquete de encerramento das Grandes Festas do Divino Espírito Santo da Nova Inglaterra.

Integram a comitiva o diretor regional das Comunidades, José Andrade, o diretor dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa, Carlos Pacheco Amaral, o presidente da Casa dos Açores da Nova Inglaterra, Francisco Viveiros, a Conselheira da Diáspora Açoriana pelo Estado de Rhode Island, Márcia Sousa Da Ponte, e Judite Teodoro, advogada em São Miguel com especial ligação às comunidades açorianas da Nova Inglaterra.

Recomendadas

Madeira: PS critica falta de apoio do Governo Regional ao investimento privado

Sérgio Gonçalves falava durante uma visita do Grupo Parlamentar socialista à empresa Autocrescente.

Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira defende papel mediador dos parlamentos regionais

Em Espanha, os 72 presidentes das Assembleias Legislativas Regionais debateram as relações com o Comité das Regiões Europeu. Os parlamentos regionais querem dialogar diretamente com as instituições europeias.

Câmara do Funchal retirou das ruas 17 pessoas sem-abrigo

O presidente da autarquia anunciou também estar em preparação um ‘Plano Municipal para Pessoas em Situação de Sem-abrigo’, um plano que “não existia quando chegamos à Câmara”.
Comentários