Presidente do Irão condena resolução do Parlamento Europeu para sancionar Guarda Revolucionária

“É uma medida proveniente do desespero e que ocorre após as fracassadas tentativas [dos países europeus] de golpear os iranianos nas ruas”, afirmou Raisi, numa referência aos protestos que agitaram o país desde a morte da jovem Mahsa Amini em setembro.

O Presidente do Irão, Ebrahim Raisi, condenou hoje a resolução aprovada pelo Parlamento Europeu (PE) pedindo a inclusão da Guarda Revolucionária iraniana na lista de “grupos terroristas” devido à repressão dos protestos no país contra o regime.

“É uma medida proveniente do desespero e que ocorre após as fracassadas tentativas [dos países europeus] de golpear os iranianos nas ruas”, afirmou Raisi, numa referência aos protestos que agitaram o país desde a morte da jovem Mahsa Amini em setembro.

O chefe de Estado recordou que a Guarda Revolucionária é uma “força oficial” do país e assegurou que a sua designação como grupo terrorista contraria “as leis internacionais e a Carta das Nações Unidas”.

A Guarda Revolucionária é um corpo militar de elite com grande influência política e económica no Irão, e um importante peso no Médio Oriente.

Esta força é um dos ramos das Forças Armadas do Irão, fundada há quatro décadas com o objetivo de proteger o sistema teocrático da República Islâmica, e integra 150.000 efetivos militares, entre forças terrestres, aéreas e navais.

O Parlamento Europeu aprovou uma resolução que pede ao Conselho da União Europeia (UE) que considere a Guarda Revolucionária como uma “organização terrorista”, incluindo as suas unidades especiais, como a milícia paramilitar Basij e a Força Quds.

O PE também pediu que o líder supremo do Irão, Ali Khamenei, Raisi, e os seus familiares, sejam sancionados, para além de considerar o procurador-geral Mohamad Jafar Montazeri também responsável pela repressão dos protestos.

As manifestações no Irão iniciaram-se com a morte de Amini em meados de setembro de 2022, e evoluíram para uma contestação ao regime.

As autoridades responderam com uma forte repressão policial que provocou cerca de 500 mortos e perto de 20.000 detenções, segundo dados de organizações não-governamentais (ONG) sediadas fora do Irão.

Quatro manifestantes já foram executados sob a acusação de terem morto agentes dos serviços de segurança durante os protestos, e outras 17 pessoas também foram condenadas à morte por enforcamento.

Os protestos diminuíram consideravelmente após a execução dos quatro condenados, e nas últimas semanas apenas se têm registado pequenas mobilizações de rua.

Recomendadas

PremiumEnvio de tanques ocidentais para território ucraniano abre período de forte incerteza

A Alemanha demorou muito tempo a concordar com o envio dos seus tanques de guerra porque Olaf Scholz sabe que as consequência podem ser muito negativas.

Ucrânia: Scholz apela à confiança dos alemães na decisão de enviar tanques

“Confie no Governo, confie também em mim! Tomamos decisões que são sempre consideradas e coordenadas a nível internacional”, disse, referindo-se à decisão anunciada esta semana.

Vídeo de violência policial nos EUA gera protestos em várias cidades

Centenas de pessoas saíram para protestar em várias cidades dos EUA, incluindo Nova Iorque, Atlanta, Washington D.C. e Detroit.
Comentários