Presidente Gouveia e Melo em Belém? “O futuro a Deus pertence” (com áudio)

O ex-líder da task force para a vacinação não fecha a porta a uma eventual candidatura à Presidência da República em 2026.

Pode o vice-almirante Gouveia e Melo vir a ser Presidente da República no futuro? “O futuro só a Deus pertence”, disse o antigo líder da task force para a vacinação.

“Têm-me aconselhado a dizer que dessa água não beberei, que é uma frase muito forte que não se deve dizer nunca. Tenho uma carreira militar que pretendo continuar”, disse Henrique Gouveia e Melo, 61 anos, ao “Diário de Notícias”.

As próximas eleições presidenciais vão ter lugar em 2026. Marcelo Rebelo de Sousa cumpre atualmente o seu último mandato, pois o Presidente está limitado a dois mandatos num total de 10 anos.

“No entanto, queria dizer-vos o seguinte: tentei despolitizar o processo de vacinação enquanto coordenador da task force e as declarações que fiz nesse contexto foi precisamente parar evitar que se entrasse numa guerra política. Não sou um ator político. Sou um ator que tem uma missão e a única coisa em que tenho de estar focado é nessa missão e não estar a pensar no que vou fazer no futuro. O que posso dizer sobre o futuro? É que ele ainda não está realizado e até lá muita coisa pode acontecer”, afirmou, depois de ter sido escolhido pelo “DN” como personalidade do ano pelo seu papel na liderança do grupo de trabalho que levou a que 85% da população portuguesa fosse totalmente vacinada.

 

Recomendadas

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.
Comentários