Presidente sobre apoio do Estado aos bancos: “A alternativa era a economia toda paralisar”

“A nossa banca conheceu uma crise gravíssima e que, à escala de Portugal, teve consequências dramáticas para muitas empresas”, lembrou Marcelo Rebelo de Sousa. Segundo um parecer Tribunal de Contas, entre 2008 e 2018, o Estado apoiou o sistema financeiro com 18,3 mil milhões de euros.

marcelo_rebelo_sousa_legislativas

O Presidente da República disse esta sexta-feira que os 18,3 mil milhões de euros que o Estado deu à banca entre 2008 e 2018 não foram uma “boa solução”, mas salientou que o importante agora é pensar no futuro e retirar as lições do passado.

“A nossa banca conheceu uma crise gravíssima e que, à escala de Portugal, teve consequências dramáticas para muitas empresas”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, em Lisboa. “Todos nós preferíamos que essa situação não tivesse acontecido”, admitiu.

Segundo um parecer do Tribunal de Contas, durante essa década, as despesas do Estado com o sistema financeiro foram de 25.485 milhões de euros e as receitas de 7.193 milhões de euros (sendo as principais obtidas dos juros pagos pelas obrigações CoCo), o que resultou no valor líquido de 18.292 milhões de euros.

O chefe de Estado português esclareceu o país “apanhou em cheio” com uma crise internacional e bancária, que fez com que várias instituições financeiras colocassem em risco os compromissos assumidos se não tivessem sido tomadas algumas medidas, entre elas a capitalização feita com recurso a outros bancos e ao Estado. “A alternativa era a economia toda paralisar, o que obrigou a que se tivesse de fazer a injeção de meios financeiros muito grandes”, esclareceu Marcelo Rebelo de Sousa, à margem de uma visita à Comunidade Vida e Paz.

Para o Presidente da República, “é tentador” que as pessoas se questionem sobre o motivo pelo qual esse montante não foi “para a habitação, para a saúde, para a segurança social, para os sem-abrigo”, “mas se a determinado momento tivesse havido uma paragem no sistema financeiro era o colapso da economia nacional”.

Relacionadas

TdC: Apoio do Estado ao sistema financeiro custou 18,3 mil milhões de euros nos últimos dez anos

Este valor, que corresponde a uma média de 1.663 milhões de euros por ano, tem que ver com a aquisição pelo Estado de participações em bancos, concessão de empréstimos, prestação de garantias, entre outras formas de apoio.

TdC: BPN custou ao Estado 4,9 mil milhões de euros entre 2011 e 2018

Só no ano passado o saldo das receitas e despesas orçamentais decorrentes da nacionalização e reprivatização do BPN e da constituição das sociedades-veículo públicas Parups, Parvalorem e Parparticipadas foi negativo em 829 milhões de euros.
Recomendadas

MAI diz que bombeiros vão cumprir apesar de discordarem de nova estrutura da proteção civil

Na reunião extraordinária do conselho nacional da LBP, foi aprovada a criação de zonas e sectores operacionais de bombeiros, prevendo-se que as federações, no prazo de 15 dias, apresentem ao conselho executivo da Liga uma proposta de metodologia de organização das zonas e dos sectores operacionais.

Vitor Ramalho confessa ter deixado o PS em 2012 em rutura com António Seguro

O ex-dirigente socialista lembra que a disponibilidade manifestada por António Costa para se candidatar a secretário-geral do PS só aconteceu depois, em 2014, após as eleições para o Parlamento Europeu.

Aeroporto: Jerónimo de Sousa acusa PS e PSD de adiarem decisão de localização

“PS e PSD estão a tentar entender-se para um novo adiamento da construção do novo aeroporto”, afirmou Jerónimo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma visita a uma exploração agrícola na Lourinhã, no distrito de Lisboa.
Comentários