PremiumPressão da Rússia sobre a Ucrânia não será uma guerra europeia

Desde 1991 que a Rússia se sente acossada, muito à custa das investidas da NATO, mas também da União Europeia, sobre o seu território. Mais de 30 anos passados, a Ucrânia não faz parte de nenhum destes agregados, e o Ocidente não fará nada, além das sanções, para defender o país.

Quando Mikhail Gorbatchov deixou de conseguir impedir a desagregação da União Soviética teve a consciência de que o império iria perder uma parte das suas repúblicas e a lucidez de aconselhar o Ocidente a manter a NATO longe das novas fronteiras. Com o que Gorbatchov não contou – como não contaram muitos outros, entre eles o dissidente Alexander Soljenítsin – foi que a Ucrânia e a Bielorrússia deixassem algum dia de pertencer à nova Rússia. Quando esses dois países decidiram libertar-se do jugo de Moscovo – ficando a Ucrânia na posse de Kiev, a primeira capital da Rússia, e com a Crimeia, que passou a ser ucraniana apenas em fevereiro de 1954, para comemorar o 300.º aniversário da integração da Ucrânia no império russo –, a NATO vislumbrou uma porta de passagem até geografias próximas de Moscovo. Ao mesmo tempo, a União Europeia considerou a hipótese de convidar a Ucrânia a entrar no agregado. Ora, 30 anos depois do fim da União Soviética (presente do Natal de 1991), a Ucrânia não integra nenhuma dessas associações.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMemórias pessoais e transmissíveis

Mas os diários da minha tia Gália eram de um tipo muito específico: à medida que os lia, a sua textura peculiar — que se assemelhava sobretudo a uma rede de pesca de malha grande — tornava‑se cada vez mais enigmática e interessante.

PremiumGeorge Clooney e o Speedmaster ’57

Coincidindo com o 65º aniversário da linha Speedmaster, a coleção completa Omega Speedmaster ’57 inclui agora oito novos modelos.

PremiumBiografia de Lula Inácio da Silva

Para lá das emoções que provoca, positivas ou negativas, Lula da Silva está entre as maiores figuras políticas da história do Brasil. Oriundo da classe operária, opositor ativo e convicto de uma ditadura militar que sufocou a sociedade e a economia brasileiras entre 1964 e 1985, a sua história e as suas lutas confundem-se com as de um povo que, por duas vezes, o elegeu presidente da nação.
Comentários