Primeira-ministra da Escócia quer definir até maio data de referendo sobre independência

“Antes do final desta legislatura, iremos publicar uma proposta de lei que definirá as condições e o calendário para um referendo sobre a independência, bem como a questão que será colocada à população durante este referendo”, disse Nicola Sturgeon.

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, prometeu esta terça-feira definir antes das eleições locais de maio os termos e a data de um segundo referendo sobre a independência da Escócia, apesar de o Governo britânico se opor à ideia.

“Antes do final desta legislatura, iremos publicar uma proposta de lei que definirá as condições e o calendário para um referendo sobre a independência, bem como a questão que será colocada à população durante este referendo”, anunciou Sturgeon, durante o discurso para marcar a reabertura do Parlamento escocês.

A líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP) acrescentou que vai fazer campanha nas eleições para a assembleia autónoma em 2021 pela independência da Escócia, que faz parte do Reino Unido, juntamente com Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte.

A questão da independência foi a referendo em 2014, quando os escoceses votaram 55% para permanecer no Reino Unido, e uma repetição precisa de ser autorizada por Londres.

Nicola Sturgeon acredita que o processo do ‘Brexit’ mudou a opinião pública porque a Escócia votou esmagadoramente (62%) em 2016 contra a saída da União Europeia (UE), formalizada a 31 de janeiro.

Segundo a chefe do Governo escocês, os desafios colocados pela pandemia covid-19 são agravados “completa e desnecessariamente” pela teimosia do Governo de Boris Johnson, o primeiro-ministro britânico, em recusar o prolongamento das negociações pós-Brexit com a UE.

Sturgeon viu a popularidade aumentar durante a pandemia, ao contrário de Johnson, criticado pela gestão da crise, e espera capitalizar esse apoio e os bons resultados nas eleições legislativas nacionais de dezembro para forçar Londres a aceitar uma nova consulta pública.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários