PremiumPrimeiro-ministro assume postura de moderação

Um objetivo politicamente aceitável e o fim da intervenção militar em Gaza mal esse objetivo foi alcançado e antes que se tornasse incontrolável. A poucos meses das eleições, Yair Lapid não abre mão da segurança, mas quer ser diferente.

Abou Shehadeh, líder da Lista Conjunta – uma coligação dos partidos israelitas de maioria árabe Balad, Hadash, Ta’al e Partido Democrático Árabe – considera que a Operação Amanhecer, uma intervenção da Força de Defesa de Israel (IDF) na Faixa de Gaza durante três dias (entre 6 e 8 de agosto), “pavimentou o caminho de volta ao poder do primeiro-ministro Yair Lapid com o sangue dos palestinianos”.

Lapid é primeiro-ministro demissionário (e líder do partido centrista Yesh Atid) e quer sê-lo de forma mais perene a partir das eleições antecipadas de 1 de novembro, mas não se conseguiu livrar das acusações dos israelitas árabes, que afirmam que atacar a Faixa de Gaza é a garantia de ganhar votos à direita ou de cimentar a imagem de segurança e o prestígio político de um governo recente.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários