Primeiro-Ministro de Israel admite que mais países mudem embaixadas para Jerusalém

O governante não identificou nas declarações à CNN que países estavam a ponderar mudar as suas embaixadas.

Atef Safadi/Reuters

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, admitiu à CNN que mais países podem mudar as suas embaixadas para Jerusalém depois do anúncio do presidente norte-americano, Donald Trump, que reconheceu esta cidade como a capital de Israel.

“Estamos a falar com vários países que estão a considerar seriamente mudar as suas embaixadas para Jerusalém”, afirmou Netanyahu à CNN.

Netanyahu referiu ao canal norte-americano que esta decisão do executivo de Trump vem reconhecer “uma verdade histórica”.

O governante de Israel não identificou que países podem mudar as suas embaixadas para Jerusalém dizendo que quer que este processo “tenha sucesso”.

De recordar que o reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel foi declarado “nulo e sem efeito” por 128 países-membros da Assembleia-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) numa votação que decorreu na passada quinta-feira na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Antes da votação, diz a Bloomberg, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, referiu que os Estados Unidos “vão lembrar-se deste dia, o dia em que foram alvo de ataque na Assembleia Geral. Vamos lembrar-nos disso quando os países vierem bater à nossa porta, como fazem sempre, para pagarmos mais. Este voto vai ser lembrado”, acrescentou.

Relacionadas

Respostas Rápidas: Como Jerusalém uniu 128 países contra Trump na ONU

O dia de hoje pode ter marcado o início de uma nova relação entre EUA e 128 países da ONU que votaram a favor para que os norte-americanos recuassem na decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel. Saiba o que está em causa e quais foram os países que levaram a sério a ameaça de Trump.

Trump recompensa “amizade” de 65 países no caso Jerusalém

Os embaixadores dos países que não votaram favoravelmente a decisão da ONU que condenou a decisão de Trump de mudar a capital de Israel para Jerusalém foram convidados para uma receção no dia 3 de janeiro.

Jerusalém: Trump ‘toma nota’ de 128 países que votaram a favor do recuo dos EUA

Proposta foi aprovada por 128 países. Trump ameaçou países que votassem a favor desta resolução da ONU que pede aos EUA que recuem no reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel.

Jerusalém: Decisão dos EUA “menospreza a ONU”

Posição de força da UE contra Donald Trump pode ser um dado importante para que a violência não se espalhe a todo Médio Oriente. O presidente dos EUA e Netanyahu ficaram a falar sozinhos.

“Jerusalém, a Biografia” de uma cidade que continua a dividir o mundo

Há uns milénios que a cidade dá que falar e Donald Trump colocou-a de novo nas primeiras páginas dos jornais e nas aberturas dos telejornais.

Jerusalém: EUA dizem-se empenhados na paz e criticam hostilidade da ONU contra Israel

Nikki Haley falava no decorrer da reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, convocada a propósito da decisão do Presidente Donald Trump de reconhecer unilateralmente Jerusalém como capital de Israel.
Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários