Primeiro satélite angolano pode estar perdido no espaço

A Rússia perdeu hoje o contacto com o primeiro satélite de comunicações angolano, o Angosat, que foi lançado na passada terça-feira do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, de acordo com uma fonte do programa espacial russo. Receia-se um novo revés um mês após a perda de um outro aparelho.

Foto ilustrativa

“O contacto cessou temporariamente, perdemos a telemetria”, indicou a mesma fonte à agência France Presse, dizendo esperar restabelecer o contacto com o satélite.

O Angosat representa um investimento do Estado angolano de 320 milhões de dólares (269,6 milhões de euros) e o seu lançamento foi comemorado em Luanda com fogo-de-artifício.

Angola tornou-se assim no sétimo país africano, ao lado da Argélia, África do Sul, Egito, Marrocos, Nigéria e Tunísia, com um satélite de comunicações em órbita.

O aparelho, construído por um consórcio estatal russo, foi lançado com recurso ao foguete ucraniano Zenit-3SLB, envolvendo ainda a Roscosmo, empresa espacial estatal da Rússia, e estava em período de teste até março, aproximadamente.

Na semana passada, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, disse que comercialmente 40% da capacidade do satélite já estava reservada e que o Estado angolano estima a recuperação do investimento em pelo menos dois anos.

Recomendadas

Inflação na Alemanha acelera para 10% em setembro

A inflação homóloga na Alemanha terá subido para 10% em setembro, com os preços da energia e dos alimentos a subirem na sequência da guerra na Ucrânia, de acordo com os números provisórios divulgados hoje.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Economia cabo-verdiana cresceu quase 18% no segundo trimestre

O crescimento da economia cabo-verdiana voltou a acelerar no segundo trimestre, para quase 18%, que se soma a 16,8% nos primeiros três meses, indicam dados provisórios divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) cabo-verdiano.
Comentários