Primeiro “tiro” no Obamacare: Escolha de Trump para a Saúde gera polémica

O Presidente eleito norte-americano escolheu o congressista republicano Tom Price, um reconhecido crítico do plano de reforma do sistema de saúde de Barack Obama (Obamacare), para liderar o Departamento de Saúde e Serviços Humanos. Democratas criticam escolha.

A escolha deste republicano da Georgia para secretário da Saúde (uma espécie de ministro da Saúde português) foi divulgada hoje e recebeu imediatamente as críticas do lado democrata.

Caso seja confirmado pelo Senado (câmara alta do Congresso norte-americano), Tom Price irá desempenhar um papel central nos esforços republicanos para revogar e substituir a atual lei do sistema de saúde, uma das grandes bandeiras da administração democrata de Barack Obama.

Entre as suas primeiras medidas como Presidente, Trump prometeu avançar com uma revisão da atual lei do sistema de saúde, mas tem sido muito vago sobre as possíveis alterações.

O Presidente eleito afirmou que é favorável manter os termos que permitem aos jovens estar abrangidos pelo seguro de saúde dos pais e que impedem que as companhias de seguros neguem a cobertura a pessoas com condições pré-existentes.

Substituir a lei do sistema de saúde do Presidente Barack Obama é “uma das pastas que irá liderar como secretário da Saúde”, afirmou hoje o porta-voz da equipa de transição de Donald Trump, Jason Miller.

Recomendadas

Bruxelas quer que plataformas passem a cobrar IVA para evitar concorrência desleal

De acordo com as atuais regras de IVA, são os próprios prestadores de serviço – sejam motoristas ou donos de alojamento local – que são obrigados a coletar o IVA e a remiti-lo para as autoridades tributárias do seu país.

UE dá luz verde a entrada de Croácia no espaço Schengen

Com esta aprovação, pelos ministros dos Assuntos Internos da UE, seguindo a recomendação da Comissão Europeia de 16 de novembro, a Croácia deixará de ter fronteiras internas com os outros países do espaço Schengen.

Trabalhadores do MNE português no Brasil vão ter atualização salarial de 48,9%

Os trabalhadores nos postos consulares e missões diplomáticas no Brasil vão ter as suas remunerações atualizadas em 48,9%, a mesma percentagem da depreciação monetária acumulada do real, segundo legislação publicada em Diário da República.
Comentários