Primeiro voo totalmente elétrico abre caminho a “nova era” da aviação

A aviação civil é uma das principais indústrias responsável pela emissão de gases de estufa, devido ao aumento do número de pessoas que recorre a este meio de transporte, e à falta de alternativas sustentáveis quer nos combustíveis quer nos componentes utilizados pelas aeronaves.

Depois da Organização Internacional de Aviação Civil (OIAC) ter encorajado as companhias aéreas a “atualizarem” os materiais e os combustíveis utilizados nos seus aviões, eis que surge o primeiro teste concreto do que poderá ser uma realidade no futuro, o primeiro avião 100% elétrico produzido pela empresa australiana ‘magniX’ em conjunto com ‘HarborAir’ companhia de férry’s aéreos do Canadá. O voo de teste durou 15 minutos, segundo o “The Guardian”.

O avião elétrico utilizado é um DHC-2 Havilland Beaver, com 62 anos e totalmente modificado, à exceção da carroçaria, para incluir um motor elétrico de 750 cavalos. Foi pilotado por Greg McDougall, fundador e presidente executivo da HarborAir, que sobre a experiência disse “para mim foi como voar um Beaver normal mas com esteróides elétricos”.

Roei Ganzarski, presidente executivo da magniX, afirmou que a tecnologia “pode significar a poupança de milhares de euros para as companhias aéreas e zero emissões de dióxido de carbono”, o que na sua opinião “é o início da nova era da aviação”.

A aviação civil é uma das principais indústrias responsável pela emissão de gases de estufa, devido ao aumento do número de pessoas que recorre a este meio de transporte, e à falta de alternativas sustentáveis quer nos combustíveis quer nos componentes utilizados pelas aeronaves.

Este avião elétrico terá de continuar a realizar testes para confirmar que é uma alternativa viável, mas os desafios estão longe de terminar, o motor utilizado com recurso a uma bateria de lítio só permite que o avião percorra 160 quilómetros, uma distância ainda curta para os objetivos da empresa e da OIAC, e adicionalmente terá de ser aprovado e certificado pelos reguladores.

Recomendadas

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.

Negociadores chegam a acordo sobre fundo climático na COP27

A revelação foi feita pelo ministro do Ambiente das Maldivas, este sábado, 19 de novembro Sharm El-Sheikh, Egito, no Egito. “Há um acordo sobre perdas e danos”, afirmou Aminath Shauna à Associated Press.
Comentários