Primeiros 33 lugares do ranking das escolas secundárias são ocupados por estabelecimentos privados

A melhor classificação em exame foi novamente obtida pelo Colégio Nossa Senhora do Rosário. Entre as escolas públicas, o melhor desempenho foi alcançado pela Escola Básica e Secundária D. Filipa de Lencastre.

Os primeiros 33 lugares do ranking das escolas secundárias são ocupados por estabelecimentos privados, contra 26 no ano passado, tendo em conta as médias alcançadas nos exames nacionais da primeira fase pelos alunos internos.

A melhor classificação em exame foi novamente obtida pelo Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, com média de 15,98 valores, num total de 488 provas. A Classificação Interna Final (CIF), resultante da avaliação contínua e do exame, foi de 17,37 valores.

Entre as escolas públicas, o melhor desempenho em exame foi alcançado pela Escola Básica e Secundária D. Filipa de Lencastre, em Lisboa. Surge na 34.ª posição numa tabela que contempla 519 estabelecimentos de ensino públicos e privados.

O segundo lugar na tabela geral (público e privado) pertence ao colégio St. Peter School, em Palmela, no distrito de Setúbal, com uma média de 14,49 valores em exame (CIF 15,40) e 192 exames realizados. Segue-se o Colégio S. João de Brito, em Lisboa, com média de 14,55 valores em 339 exames. A média da CIF foi de 14,72 valores.

A maioria das escolas teve média negativa nos exames de Português do 9.º ano e apenas 20% conseguiu positiva a Matemática, segundo dados do Ministério da Educação que revelam uma ligeira descida das notas. Os resultados globais dos exames de Matemática e de Português realizados no ano passado pelos alunos do 9.º ano revelam que, em média, as notas baixaram um pouco quando comparadas com o ano anterior, segundo uma análise feita pela Agência Lusa com base nos dados disponibilizados no site do Ministério da Educação, InfoEscolas.

Entre as 1.230 escolas que levaram alunos a exame, apenas 306 registaram média geral positiva nas duas provas, ou seja, três em cada quatro escolas tiveram “negativa” (75%), enquanto no ano anterior as negativas atingiram 70% dos estabelecimentos escolares.

Novamente este ano, os alunos das escolas privadas conseguiram melhores resultados médios nos exames quando comparados com os das escolas públicas, voltando a colocar os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo nos primeiros lugares dos rankings feitos pela Lusa.

Nas 1007 escolas públicas, 84% dos estabelecimentos tiveram média negativa, enquanto a maioria das 223 escolas privadas conseguiu ter positiva (64%). Nos primeiros 42 lugares da tabela da Lusa surgem apenas escolas privadas, que são encimadas pelo Externato As Descobertas (média 4,5), em Lisboa, seguindo-se o Colégio Horizonte (4,36), no Porto, e o Colégio Novo da Maia (4,30).

A primeira pública surge em 43.º lugar e é a Escola Secundária D. Manuel I, em Beja, com média de 3,75, seguindo-se a Escola Secundária Infanta D. Maria, em Coimbra, que fica em 47.º lugar da tabela geral com uma média de 3,72.

Recomendadas

Apertem os cintos! Vamos agora aterrar em Santarém. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

“Metade das pessoas que precisam de apoio psicológico não têm meios para o conseguir”, alerta bastonário da Ordem dos Psicólogos

Começa esta quarta-feira em Aveiro o quinto congresso da Ordem, evento que servirá também para reforçar bandeiras “antigas”, como por exemplo a questão do reforço no número de psicólogos no SNS, situação que a nova gestão executiva terá que priorizar se houver vontade política, de acordo com a opinião do bastonário em entrevista ao JE.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.
Comentários