Principe Carlos de Inglaterra tem “medo” de ser rei

Além do medo de Carlos, Tina Brown, ex-editora da Vanity Fair, acredita que o sucessor ao trono britânico não será um um rei representativo como aconteceu com Isabel II.

Tina Brown, autora de um livro sobre a família real e ex-editora da Vanity Fair, acredita que o príncipe Carlos está a sentir medo por vir a ser rei.

As declarações foram proferidas durante um debate no Hay Festival onde Brown também falou sobre o seu livro recentemente publicado “The Palace Papers: Inside the House of Windsor, the Truth and the Turmoil”.

“Agora que o momento se está a aproximar acho que o príncipe Carlos tem uma certa quantidade de medo”, sublinhou Tina Brown citada pela “News Week”.

Apesar do medo, a antiga editora da Vanity Fair defende que Carlos “será um monarca de transição muito bem-sucedido em certo sentido”.

“Ele não será o tipo de grande monarca representativo que a rainha tem sido, pode iniciar um processo de modernização e o processo de deixar as coisas realmente prontas para o próximo longo reinado que será de William”, destacou.

Os comentários de Brown vêm depois de um período sem precedentes onde Carlos assumiu mais responsabilidades oficiais do que nunca. Desde que a rainha sofreu uma série de problemas de saúde no outono passado Carlos tem vindo a tornar-se o rosto público da monarquia.

O dever real mais relevante em que Carlos interveio para representar a rainha foi a abertura estadual do parlamento em maio. Esta é uma das principais funções de um monarca constitucional. Estas substituições têm sido vistas por alguns como um elemento consciente da transição de poder de um reinado para o outro.

Recomendadas

“Sarrabulhada” governativa na ementa do Congresso do PSD. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Conceição Amaral reconduzida na presidência do Opart

A atual presidente do conselho de administração do Organismo de Produção Artística (Opart), Conceição Amaral, foi reconduzida para novo mandato à frente da instituição, confirmou esta terça-feira o Governo.

“A Grande Arte no Cinema”: um ciclo em torno da arte universal e dos seus protagonistas

Se durante a pandemia muitas pessoas ganharam o hábito de passear por museus, galerias e monumentos virtualmente, agora poderá ir a uma sala de cinema e desbravar a vida de artistas que marcaram a História da Arte mundial e os espaços que acolhem as suas obras. O verão também pode ser feito de Cinema e Arte.
Comentários