Prioridade de RH é orientar para resolução de problemas

O grande desafio da Indústria 4.0 em Portugal será converter trabalhadores “habituados a tarefas mais repetitivas” em trabalhadores “mais orientados para a resolução de problemas”. A conclusão é do Barómetro Kaizen de Recursos Humanos.

Stringer/Reuters

O Barómetro Kaizen de Recursos Humanos aponta como grande preocupação dos gestores de RH a preparação dos “colaboradores” das empresas para uma realidade em que em vez de realizarem tarefas terão de resolver problemas.

Isto significa que “as empresas portuguesas terão que se preparar fazendo um enorme trabalho em melhoria contínua dos seus colaboradores, reforçando comportamentos de resolução de problemas”, explica António Costa, senior partner do Kaizen Institute Western Europe.

Outra preocupação dos responsáveis de recursos humanos é a necessidade de criar “um equilíbrio/convivência entre homem e tecnologia”, apontada por 18% dos inquiridos.

Metade dos inquiridos no âmbito deste estudo acredita que a valorização de trabalhadores com mais de 50 anos deverá ser feita através do seu “reposicionamento na empresa”. Outras soluções para valorizar o conhecimento destas pessoas passam pela criação de uma bolsa de mentores especializada por setores de atividade (22%) e a alocação a funções de formação dos colaboradores mais jovens (18%).

“As empresas entendem que reposicionar esses profissionais internamente, por forma a valorizar o seu conhecimento e criarem-se bolsas de mentores por setor de atividade são as melhores medidas para valorizar os trabalhadores com mais de 50 anos”, aponta Rui Nascimento Alves, Diretor de Recursos Humanos da Johnson & Johnson Supply Chain EMEA & Asia.

O limite nas renovações dos contratos de trabalho temporário deverá aumentar a precariedade laboral. Pelo menos isto é o que dizem  42% dos inquiridos. Um em cada quatro gestores (28%) considera que esta medida deverá aumentar o custo de contratação de temporários e um em cada cinco acha que aumentará o quadro de efetivos e respetivos custos.

O Barómetro foi realizado junto de 80 diretores de Recursos Humanos de empresas públicas e privadas de setores como a banca, indústria, saúde, logística e retalho e serviços.

 

 

Recomendadas

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.

Governo alarga prazos de pagamento do IMI e do IUC para 2 de dezembro

“Não são devidos quaisquer juros ou penalidades associados a este alargamento dos prazos”, diz o Ministério das Finanças em comunicado. Em causa estão os “constrangimentos informáticos verificados temporariamente no Portal das Finanças na manhã de quarta-feira, 30 de novembro”. Prazo terminava ontem.
Comentários