Prisa leva Cofina a tribunal arbitral e reclama 10 milhões de caução pelo insucesso da venda da Media Capital

Processo arbitral será ajuizado pela Câmara do Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP). Em causa está o insucesso da venda da Media Capital, dona da TVI, pela Prisa à Cofina.

A Prisa, dona da Media Capital, iniciou um processo arbitral contra a Cofina por esta não ter libertado os 10 milhões de euros relativos à caução do negócio da venda da dona da TVI pelo grupo de media espanhol à empresa dona do Correio da Manhã, foi esta quinta-feira, 16 de abril anunciado.

“A Cofina – SGPS, S.A. informa ter sido notificada, ontem, dia 15 de abril de 2020, de um requerimento de arbitragem, apresentado pela Promotora de Informaciones, S.A. (“Prisa”) junto da Câmara do Comércio e Indústria Portuguesa”, lê-se num comunicado enviado pela empresa liderada por Paulo Fernandes à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Quer isto dizer, que a Prisa vai levar para tribunaç arbitral a Cofina, sendo processo ajuizado pela Câmara do Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP).

Em causa está a decisão da Cofina ter desistido da compra da Media Capital, depois de anunciar que não iria conseguir concretizar o aumento de capital em 85 milhões de euros para concluir a operação. A Prisa contestou, desde logo, a decisão da Cofina, mas facto é que toda a operação que envolvia a Media Capital ficou sem efeito.

Agora, além de reclamar o pagamento dos dez milhões de euros de garantia, valor que está depositado no BPI , banco escolhido como escrow agent (isto é, é naquele banco que a caução da operação que previa a compra da dona da TVI pela Cofina está depositada), a Prisa pede “a condenação da Cofina no pagamento dos danos que vier a conseguir demonstrar”, fruto do insucesso da venda da Media Capital.

A defender os interesses da Prisa e dos seus acionistas estão os escritórios de advogados Pérez Llorca, Vieira de Almeida e Gomez de Acebo, nesta ação movida contra a Cofina e em eventuais futuras ações legais, tal como o Jornal Económico tinha noticiado em 17 de março.

A Prisa designou três reconhecidos escritórios de advogados – Pérez Llorca, Vieira de Almeida e Gomez de Acebo – para defender os interesses do grupo espanhol e dos seus acionistas, tanto em Portugal como em Espanha, nas iniciativas judiciais e administrativas que se prepara para intentar contra a Cofina de Paulo Fernandes, depois de a operação de aquisição da Media Capital ter ficado sem efeito.

No mesmo comunicado, veiculado pela CMVM, a Cofina diz irá defender-se em tribunal arbitral, argumentando “que os pedidos da Prisa carecem de qualquer fundamento”. O grupo de media de Paulo Fernandes, que controla títulos como a revista Sábado e o Jornal de Negócios, reitera que não tem de pagar os 10 referidos 10 milhões de euros à Prisa.

A Cofina remete a sua posição para um comunicado, enviado ao mercado em 20 de março, onde explica que o fim do negócios e resolução do contrato de compra se deve à “inesperada e muito significativa egradação da situação financeira e perspetivas da Vertix [sociedade da Prisa que detém a participação maioritária da dona da TVI]  e Media Capital”.

O acordo estabelecido entre a Cofina e a Prisa previa que o grupo liderado por Paulo Fernandes iria pagar um enterprise value [valor da compra e dívida da Media Capital] de 205 milhões de euros pela dona da TVI, caso o negócio não tivesse sido cancelado.

Relacionadas

PremiumMário Ferreira estava pronto a cobrir valor que faltava para comprar TVI

Patrão da Douro Azul estava disponível para investir mais no aumento de capital da Cofina para comprar TVI. Ao Jornal Económico, diz-se “surpreendido” pelo cancelamento do negócio. Media Capital procura “novos caminhos”.

Cofina pede à CMVM para considerar cancelada OPA à Media Capital

Em causa está a “impossibilidade definitiva de verificação de um dos requisitos de que dependia o respetivo lançamento, e, subsidariamente, a revogação de tal oferta, por alteração das circunstâncias”,

Prisa confirma fim da operação de venda da Media Capital à Cofina

Grupo espanhol garante que durante todo a operação sobre a Media Capital, sobretudo durante o aumento de capital em 85 milhões da Cofina, a empresa liderada por Paulo Fernandes nunca comunicou a “sua suposta incapacidade de concluir o aumento de capital ou a vontade de desistir de sua execução”.

Cofina diz que resolução do contrato se deve à “inesperada e muito significativa degradação da situação financeira e perspetivas da Vertix e Media Capital”

A Cofina acusa a Prisa de ter incorrido “em violações contratuais graves e, por último, manifestou expressamente a intenção de não cumprir o contrato, o que afetou irremediavelmente a relação de confiança entre as partes”.

Prisa designa Vieira de Almeida, Pérez Llorca e Gomez de Acebo para atacar judicialmente a Cofina

A Prisa prepara-se para intentar ações judiciais, para avançar com outras iniciativas administrativas, junto de autoridades regulatórias e de supervisão, e está mesmo a ser equacionada uma ação de natureza penal, contra a Cofina por causa do negócio da Media Capital, sabe o Jornal Económico. 

Prisa reitera avançar com todas as ações contra a Cofina e rejeita abrir porta a novas negociações

A compra da Media Capital por parte da Cofina iria fazer-se por um ‘enterprise value’ de 205 milhões de euros, mas a operação caiu uma vez que a Cofina não conseguiu concretizar o aumento de capital. A Prisa considera que houve uma violação do acordo firmado com a Cofina.

OPA à Media Capital: Cofina reclama 10 milhões de euros da caução mas admite renegociar com a Prisa

A compra da Media Capital por parte da Cofina iria fazer-se por um valor de 123 milhões de euros mas a operação caiu uma vez que a Cofina não conseguiu concretizar o aumento de capital. Desta forma, a Cofina perdeu a caução de 10 milhões de euros que já havia avançado neste negócio. No entanto, a Cofina poderá estar a entreabrir uma porta para voltar a negociar a compra da Media Capital à Prisa.

Cofina diz que ficaram por subscrever 2,86 milhões de euros na operação de aumento de capital

O aumento de capital que a Cofina iria realizar era condição essencial para que se concretizasse a compra de 95% da Media Capital à Prisa, mas ficaram por subscrever mais de 6,3 milhões de ações, com 96% do montante ( 82 milhões de euros) a ser subscrito.

Prisa diz que Cofina violou contrato “sem aviso prévio” e vai acionar medidas

O grupo de comunicação social espanhol garante que “iniciará a partir desta data todas as ações contra a Cofina disponíveis”.

Cofina falha aumento de capital de 85 milhões em bolsa. Compra da TVI fica sem efeito

As más condições do mercado de capitais condenaram ao fracasso o aumento de capital de 85 milhões de euros. Este aumento de capital em cash servia para financiar a compra da Media Capital.
Recomendadas

EDP Renováveis vende Companhia Paranaense de Energia por 350 milhões de euros

A venda foi feita por um Enterprise Value (inclui dívida) estimado de 1,80 mil milhões de reais a 31 de dezembro de 2021 (o que equivale a 0,35 mil milhões de euros à taxa cambial de 5,16 euros/um real), e que será ajustado à data de conclusão.

Sindicatos desconvocam greve no Metro de Lisboa marcada para quarta-feira

No entanto, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações entregou um novo pré-aviso de paralisação para 25 de outubro.

Talent Protocol compra empresa canadiana ligada à blockchain

A escolha recaiu sobre a Agora Labs, fundada por um grupo de quatro adolescentes. Matthew Espinoza (agora com 20 anos) e Freeman Zhang (de 19 anos) juntam-se à equipa da startup portuguesa dos ‘tokens’ para profissionais talentosos.
Comentários