Prisão preventiva para fiscais da Câmara de Lisboa suspeitos de corrupção

Os dois fiscais de obras da Câmara Municipal de Lisboa hoje detidos pela Polícia Judiciária (PJ) por suspeitas de corrupção passiva vão aguardar o processo em prisão preventiva, após interrogatório judicial, disse à Lusa fonte ligada à investigação.

Segundo a mesma fonte, o terceiro arguido hoje detido pela PJ por suspeitas de corrupção, que é empresário e proprietário de uma obra em Lisboa, vai aguardar o desenrolar do inquérito sujeito à medida de coação de proibição de contactos com outras pessoas envolvidas no processo.

Os três suspeitos de corrupção foram hoje à tarde submetidos a interrogatório por um juiz de instrução criminal.

A PJ anunciou hoje que seguiu um “encontro previamente agendado” entre os dois fiscais da Divisão de Fiscalização da autarquia de Lisboa e um “cidadão proprietário de uma obra em curso na cidade de Lisboa”.

A investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa levou à emissão de mandados para buscas domiciliárias e também nos postos de trabalho dos dois funcionários municipais.

A PJ revelou ter apreendido “prova relevante” e “elevadas quantias” de dinheiro.

Recomendadas

DreamMedia invoca acórdão da Supremo Tribunal Administrativo para apelar à exclusão das propostas da JCDecaux

A empresa diz que, como o processo intentado pela DreamMedia ainda não foi apreciado, “quando o for é praticamente inultrapassável que o Tribunal decida, tendo em conta a jurisprudência agora uniformizada pelo STA, a exclusão das propostas da JCDecaux, que assim perde os dois lotes que ganhou”, defende a empresa especialista em outdoors estáticos, digitais, meios de ativação e roadshow.

MEO conhece 2.ª decisão do Tribunal da Concorrência sobre recurso a coima

A empresa recorreu para o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, em Santarém, da condenação de que foi alvo “por combinar preços e repartir mercados com a Nowo” nos serviços de comunicações móveis e fixas.

Joe Berardo. Ministério Público pede apresentações periódicas às autoridades

O Ministério Público (MP) propôs a alteração das medidas de coação de Joe Berardo no caso CGD, requerendo apresentações periódicas às autoridades pelo empresário e admitindo a extinção da maioria das medidas aplicadas há cerca de um ano.
Comentários