Prisms: reinvenção do ensino de matemática

A Prisms desenvolveu uma plataforma onde os alunos aprendem matemática de uma forma imersiva, utilizando uns óculos de realidade virtual.

Até agora, muitos dos conceitos tridimensionais ensinados nas aulas de matemática são transmitidos de uma forma estática e o método de ensino leva muitos alunos a pensar “isto não me vai servir para nada”. A Prisms nasceu com a missão de provar o contrário. Fundada por uma professora de física e de matemática, esta startup americana transforma a experiência de aprendizagem através de uma plataforma online e de óculos de realidade virtual.

Na plataforma da Prisms os alunos aprendem matemática de uma forma imersiva, resolvendo situações reais. Por exemplo, podem aprender sobre funções lineares com base na diminuição da espessura de um glaciar e, a partir dessa experiência, desenvolver tabelas, gráficos e equações para ajudar uma cidade a prever quando é que a linha costeira pode estar em risco de inundação. 

Aproximando a matemática das questões do dia-a-dia para aumentar o envolvimento, esta plataforma dá feedback instantâneo quando os alunos estão com mais dificuldade. 

Também os professores têm acesso em tempo real ao percurso de aprendizagem dos alunos e a relatórios finais que permitem acompanhar o progresso ao longo do tempo.  

Neste momento, a plataforma é utilizada por mais de 20 mil estudantes nos Estados Unidos. A meta é abranger 100 mil estudantes até ao final de 2022. 

Desde que foi fundada em 2020, a Prisms já captou 4.5 milhões de dólares de investidores como a Andreessen Horowitz (a16z) e o cofundador da Oculus (Meta), Nate Mitchell.

Artigo original publicado em SuperToast by INSTINCT.
Também disponível em Newsletter e Podcast.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Greve dos professores e educadores prossegue no distrito de Leiria (com áudio)

A terceira semana de greve nacional com incidência distrital, convocada por nove organizações sindicais, chega esta segunda-feira, 30 de janeiro, às escolas do distrito de Leiria.

Milhares de professores ligam Ministério da Educação ao Palácio de Belém na marcha do S.T.O.P.

A contestação sobe de tom este sábado, 28 de janeiro, um dia depois do Tribunal Arbitral ter decretado serviços mínimos nas escolas a partir de 1 de fevereiro. ” É um atentado ao direito à greve”, afirma André Pestana, coordenador do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação.
Comentários