Privados vão gerir património do Estado

Projeto conjunto dos Ministérios da Economia, da Cultura e das Finanças abre o património ao investimento privado, esperando que alcance os 150 milhões de euros.

O Forte do Guincho, o Castelo de Portalegre e o Mosteiro de Arouca estão na lista das primeiras concessões, a decorrer até ao final do ano. Os investidores nacionais e estrangeiros comprometem-se a reabilitar, preservar e conservar os monumentos.

Esta manhã, o ministro da Economia e os secretários de Estado da Cultura e do Turismo apresentaram o programa responsável por esta reestruturação, o Revive, que deverá atingir os 150 milhões de euros. Manuel Caldeira Cabral, Miguel Honrado e Ana Mendes Godinho adiantaram que se pretendem desenvolver novos projetos turísticos e que os edifícios não perdem o título de património estatal.

O património em questão está subaproveitado ou ao abandono e esta iniciativa conjunta dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças pretende dar-lhe vida, retirar despesa ao Estado e criar postos de trabalho.

O Convento de Santa Clara-a-Nova, um dos monumentos históricos que será aberto a entidades privadas ainda este ano, foi o palco escolhido pelo executivo para a divulgação dos trinta monumentos históricos que vão estar abertos ao investimento privado. A sessão contou ainda com a presença do presidente da Câmara Municipal, Manuel Machado, e do presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo.

Esta é a lista dos primeiros monumentos sujeitos a reestruturação:

– Convento de São Paulo
– Castelo de Vila Nova de Cerveira
– Fortaleza de Peniche
– Mosteiro de São Salvador de Travanca
– Mosteiro de Arouca
– Mosteiro de Santa Clara-a-Nova
– Pavilhão do Parque
– Paço Real de Caxias
– Forte do Guincho
– Castelo de Portalegre
– Forte de S. Roque da Meia Praia
– Quinta do Paço de Valverde

Recomendadas

Apenas 2,4% dos jovens são sindicalizados. “Temos de repensar os sindicatos”, diz presidente do CNJ

Sindicatos são a forma de participação política com menos força entre os jovens. A conclusão é de um estudo da Universidade Católica para o Conselho Nacional de Juventude. Redes sociais já têm mais peso do que a televisão na interação dos portugueses dos 18 aos 30 anos com a política.

PremiumPatrões querem que todas as despesas de teletrabalho fiquem isentas de IRS

Governo estuda fixar um valor até ao qual as despesas de teletrabalho estão livres de IRS. Patrões consideram positivo, mas avisam: ideal seria todos os pagamentos estarem isentos.

PremiumTaxa dos sacos de plásticos rende 2,1 milhões em sete anos

Receita arrecadada com a contribuição sobre os sacos de plástico leves nunca chegou sequer perto da estimativa do Governo. Retalhistas mudaram gramagem dos sacos, escapando à tributação.
Comentários