Privados vão gerir património do Estado

Projeto conjunto dos Ministérios da Economia, da Cultura e das Finanças abre o património ao investimento privado, esperando que alcance os 150 milhões de euros.

O Forte do Guincho, o Castelo de Portalegre e o Mosteiro de Arouca estão na lista das primeiras concessões, a decorrer até ao final do ano. Os investidores nacionais e estrangeiros comprometem-se a reabilitar, preservar e conservar os monumentos.

Esta manhã, o ministro da Economia e os secretários de Estado da Cultura e do Turismo apresentaram o programa responsável por esta reestruturação, o Revive, que deverá atingir os 150 milhões de euros. Manuel Caldeira Cabral, Miguel Honrado e Ana Mendes Godinho adiantaram que se pretendem desenvolver novos projetos turísticos e que os edifícios não perdem o título de património estatal.

O património em questão está subaproveitado ou ao abandono e esta iniciativa conjunta dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças pretende dar-lhe vida, retirar despesa ao Estado e criar postos de trabalho.

O Convento de Santa Clara-a-Nova, um dos monumentos históricos que será aberto a entidades privadas ainda este ano, foi o palco escolhido pelo executivo para a divulgação dos trinta monumentos históricos que vão estar abertos ao investimento privado. A sessão contou ainda com a presença do presidente da Câmara Municipal, Manuel Machado, e do presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo.

Esta é a lista dos primeiros monumentos sujeitos a reestruturação:

– Convento de São Paulo
– Castelo de Vila Nova de Cerveira
– Fortaleza de Peniche
– Mosteiro de São Salvador de Travanca
– Mosteiro de Arouca
– Mosteiro de Santa Clara-a-Nova
– Pavilhão do Parque
– Paço Real de Caxias
– Forte do Guincho
– Castelo de Portalegre
– Forte de S. Roque da Meia Praia
– Quinta do Paço de Valverde

Recomendadas

Volume de negócios na indústria abranda para 16,2% em outubro

Os resultados foi fortemente influenciado pela evolução dos preços na indústria, cujo índice cresceu 16,2% (face a 19,7% em setembro).

Exportações e importações aumentaram 21,1% e 26,2% em outubro

“O défice da balança comercial agravou-se em 814 milhões de euros face a outubro de 2021, atingindo 2 833 milhões de euros. Excluindo Combustíveis e lubrificantes, o défice totalizou 1 983 milhões de euros, aumentando 644 milhões de euros relativamente a outubro do ano passado”, revela o INE esta sexta-feira.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.
Comentários