Procura de escritórios dispara em Lisboa e Porto nos primeiros cinco meses de 2022

Em ambas as cidades o volume de ocupação foi três vezes superior ao registado no mesmo período de 2021. Em Lisboa a ocupação de escritórios atingiu os 147 mil m2, enquanto no Porto verificou-se um take-up de 23.500 m2.

Nos primeiros cinco meses de 2022 a procura por espaços de escritórios registou um crescimento três vezes superior ao verificado no período homólogo de 2021, nas cidades de Lisboa e Porto.

Segundo os dados do ‘Office Flashpoint’ de maio da consultora JLL, em Lisboa a ocupação de escritórios atingiu os 147 mil m2, em comparação com os 49 mil m2 registados no ano anterior, tendo sido contabilizadas 86 operações com uma área média de 1.709 m2, num mercado dominado pelas empresas de “Serviços Financeiros”, que garantiram 53% da ocupação total.

Já em em relação às zonas de ocupação o Parque das Nações (33%) e as Novas Áreas de Escritórios (26%) lideraram as escolhas.

No que diz respeito à cidade do Porto, o take-up anual foi de 23.500 m2 face aos 6.800 m2 verificados no ano anterior. Foram realizadas 29 operações com uma ocupação média de 811 m2, onde as empresas de “TMT’s & Utilities” foram as mais dinâmicas, com 50% do take-up anual, com as empresas de “Serviços a Empresas”, a terem 31% da ocupação.

No que diz respeito às zonas, o Central Business District (CBD) Baixa e a zona de Matosinhos ocuparam respetivamente 30% e 31% do take-up anual até data, com destaque ainda para o CBD-Boavista, com 23% do take-up anual.

Analisando apenas o mês de maio de 2022, a cidade de Lisboa observou uma ocupação de 25.700 m2, correspondentes a 24 operações e uma área média por transação de 1.070 m2.

A expansão do Novo Banco no Tagus Park (8.200 m2), a ocupação de 4.100 m2 pela SGS e de 2.700 m2 pela LEAP foram os principais destaques de negócios realizados, com o Corredor Oeste a agregar um take-up de 40%, tendo a procura sido liderada por empresas de “Outros Serviços” (35%).

No que diz respeito ao Porto a ocupação totalizou 8.500 m2 divididas em sete operações com uma área média de 1.216 m2. O principal negócio foi protagonizado pela fintech Saltpay que arrendou 3.750 m2 no recém-concluído Porto Business Plaza, no CBD-Baixa, que foi de resto a zona mais dinâmica (56%) com as empresas de “TMT’s & Utilities” a serem as mais ativas (67%).

Recomendadas

Airbnb proíbe de vez festas nas casas da plataforma

A empresa tinha proibido em 2020, numa medida “em interesse da saúde pública” e agora decidiu tornar a medida definitiva em todo o mundo, numa forma de “apoio aos anfitriões e vizinhos”.

Imobiliário. Californianos vão investir 3,5 milhões no litoral português até ao final do ano

Os destinos de Cascais e Oeiras, na Grande Lisboa, ou os Açores e a Costa Vicentina com investimento direcionado para os Vistos Gold são os mais procurados.
Comentários