Procuradoria-Geral do Irão anuncia fim da ‘polícia da moralidade’

O Irão vive protestos generalizados desde 16 de setembro, após a morte sob custódia policial da jovem curda Mahsa Amini, de 22 anos, que havia sido detida justamente pela polícia da moralidade por supostamente usar o véu islâmico de forma inadequada.

O Irão aboliu a polícia da moralidade, uma força que detinha especialmente mulheres que não usavam o véu islâmico de acordo com os códigos ditados pelo país, informou o procurador-geral do país, Mohamad Jafar Montazeri.

Essa polícia “não tem nada a ver com o poder judicial”, sublinhou Montazeri ao fazer o anúncio no sábado à noite, citado pela agência de notícias iraniana ISNA.

Os analistas consideram o fim da polícia da moralidade como uma cedência ao movimento popular de protesto que o país vive há três meses.

Montazeri explicou que o judiciário continuará a fiscalizar o comportamento em nível comunitário e destacou que o vestuário feminino continua a ser muito importante, principalmente na cidade sagrada de Qom, ao sul de Teerão.

“O mau ‘hijab’ (véu islâmico) no país, especialmente na cidade sagrada de Qom, é uma das principais preocupações do poder judicial, bem como da nossa sociedade revolucionária, mas se deve notar que a ação legal é o último recurso e medidas culturais precedem qualquer outro”, justificou Montazeri em discurso em encontro com clérigos em Qom.

A cidade de Qom é o centro teológico do Irão, onde estão localizados as principais escolas religiosas do país e onde milhares de peregrinos e estudantes de todo o mundo visitam e estudam.

O Irão vive protestos generalizados desde 16 de setembro, após a morte sob custódia policial da jovem curda Mahsa Amini, de 22 anos, que havia sido detida justamente pela polícia da moralidade por supostamente usar o véu islâmico de forma inadequada.

Os protestos incluem a demanda pelo fim da República Islâmica.

“Isto não é um protesto, isto é uma revolução”, “não queremos a República Islâmica”, “morte ao ditador”, são algumas das frases que os manifestantes gritam nas manifestações de rua ou à noite das janelas das suas casas e escrevem nas paredes do prédio desde setembro passado.

Segundo o Conselho de Segurança do Irão, desde o início dos protestos “mais de 200 pessoas” morreram, mas organizações não-governamentais (ONG) estrangeiras, como a Iran Human Rights (IHR), com sede em Oslo, estimam o número de mortos em 448 devido à forte repressão policial.

Além disso, pelo menos duas mil pessoas foram acusadas de vários crimes pela sua participação nas mobilizações, das quais seis foram condenadas à morte.

Recomendadas

Mali. ONU lança apelo por 688 milhões de euros para ajudar 5,7 milhões de pessoas

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje um apelo por 751 milhões de dólares (688 milhões de euros) para dar resposta às necessidades urgentes de 5,7 milhões de pessoas no Mali.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Qatargate: Parlamento Europeu levanta imunidade dos acusados

O processo está a ser conduzido em tempo recorde, o que prova que a câmara sentiu o acontecimento como uma verdadeira catástrofe reputacional, como aliás disse a sua presidente, Roberta Metsola.
Comentários