Produção de automóveis para exportação aumenta 20% nos primeiros 11 meses

De janeiro a novembro de 2017, produziram-se 153.487 veículos automóveis para exportação, revelou a ACAP. A produção automóvel acelera em Portugal com o novo modelo T-Rock da Autoeuropa.

De janeiro a novembro de 2017, produziram-se 153.487 veículos automóveis para exportação (de entre o total 160.236 veículos automóveis produzidos), o que representa um aumento de 20,0% relativamente ao mesmo período de 2016, segundo os dados recentes da ACAP. Portanto a maioria dos automóveis produzidos foram para exportação.

“A informação estatística relativa ao período de janeiro a novembro de 2017 confirma a importância das exportações para o sector automóvel já que 96,5% dos veículos fabricados em Portugal tiveram como destino o mercado externo, o que, sublinhe-se, contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa”, salienta a ACAP (Associação Comércio Automóvel de Portugal).

A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional – com 86,1% – com a Alemanha (21,3%), Espanha (13,6%), França (11,6%) e Reino Unido (10,7%) no topo do ranking.

Em termos de grandes regiões, o mercado asiático, liderado pela China (9,6%), mantém o segundo lugar nas exportações de automóveis fabricados em Portugal.

Nos primeiros 11 meses do ano, a categoria de veículos ligeiros de passageiros para exportação regista um aumento de 23,4% (em termos de variação hómologa anual), enquanto as categorias de veículos comerciais ligeiros, comerciais pesados e monovolumes registaram variações homólogas acumuladas de 6,2%, 60,5% e 25,0% respetivamente.

Só no mês de novembro foram produzidos 22.166 veículos automóveis para exportação, o que corresponde a um aumento de 74,4% relativamente ao período homólogo.

Neste mês, a produção total de veículos ligeiros de passageiros para exportação registou uma variação homóloga de 99,5%. Nas categorias de veículos comerciais ligeiros e comerciais pesados, para exportação, as variações homólogas foram de 12,3% e 0,3%, respetivamente.

Na categoria de monovolumes (Autoeuropa) para exportação registou-se uma variação homóloga de 115,8%.

Produção total de automóveis (para exportação e para consumo interno) aumentou nos primeiros 11 meses 19,3%.

No período acumulado de Janeiro a Novembro de 2017 foram produzidos 160.236 veículos automóveis, ou seja, mais 19,3% do que em igual período de 2016, refere a ACAP.

Se olharmos só para o mês de novembro verificamos que foram produzidos 22.967 automóveis (de todas as classes) o que representa um crescimento anual, face a novembro do ano passado, de 70,9%. O novo modelo da Autoeuropa impulsionou o forte crescimento (70,9%) em novembro.

Destaque para o facto de terem quase duplicado (98,2%) em novembro face a novembro de 2016, os ligeiros de passageiros, ao terem sido fabricados 18.231 automóveis desta classe.

“Em novembro de 2017 saíram das fábricas nacionais de automóveis 22.967 veículos ligeiros e pesados, o que representou um forte crescimento de 70,9% relativamente ao mês homólogo de 2016. Nesse mês foram produzidos em Portugal mais veículos automóveis do aqueles que foram vendidos (22.967 versus 21.846), sendo que nestes últimos também se incluem veículos made in Portugal”, avança a ACAP.

No período acumulado de Janeiro a Novembro de 2017 foram produzidos 160.236 veículos automóveis, ou seja, mais 19,3% do que em igual período de 2016.

Recomendadas

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.
Comentários