Produção de energia elétrica cai 7% na Madeira

A produção de energia elétrica atingiu os 844,4 GWh, enquanto o consumo ficou em 764,8 GWh. 35,4% do consumo total foi doméstico.

A produção bruta de energia elétrica na Madeira atingiu 844,4 GWh, uma quebra de 7%, em 2020, comparado com o período homólogo, de acordo com os dados da Direção Regional de Estatística (DREM), que refere que este é o valor mais baixo dos últimos 17 anos.

Da produção total de energia elétrica 78,6% teve origem térmica, 10,1% de origem eólica, 7,7% origem hídrica e 3,5% origem fotovoltaica.

Foram consumidos 764,8 GWh, menos 7% face ao ano anterior.

O consumo doméstico representou 35,4% do consumo total, um aumento de 6% face ao período homólogo.

No setor do alojamento, restauração e similares verificou-se uma quebra no consumo de 29,6%, nas atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas e nos transportes, armazenagem e atividades auxiliares dos transportes; Atividades postais e de courier a descida foi de 18,5%.

Já a eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio e as atividades de saúde humana e apoio social tiveram aumentos no consumo de 10,4% e 2,7%.

Os consumidores de energia elétrica ficaram em 141.177 mais 0,7% face ao período homólogo.

Recomendadas

Comprar presentes de Natal a crédito é uma boa opção? Saiba aqui

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato.

Reputação!

Num mundo que todos dizem pretender agregar, ainda que alguns o façam pela lei da força, a Union Jack apostou no afastamento! Se o Reino Unido fosse submetido a uma página de feedback do Amazon ou do Aliexpress, receberia 1 estrela, por engano ao cliente e principalmente por mentira “in House”.

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.
Comentários