Produção de vinho deverá baixar 9% nesta campanha

A produção de vinho deverá baixar 9% em Portugal, face à campanha anterior, com as regiões do Douro, Porto e Lisboa em destaque, segundo as previsões do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) divulgadas esta terça-feira.

A produção de vinho deverá baixar 9% em Portugal, face à campanha anterior, com as regiões do Douro, Porto e Lisboa em destaque, segundo as previsões do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) hoje divulgadas.

“De acordo com as previsões do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), decorrentes da auscultação feita às entidades regionais representativas, a produção de vinho deverá baixar em Portugal cerca de 9% face à campanha anterior (caracterizada por uma produção anormalmente elevada)”, indicou, em comunicado. No entanto, as estimativas apontam para um volume na ordem dos 6,7 milhões de hectolitros, mais 2% em relação à média das cinco últimas campanhas.

Por região, destacam-se Douro e Porto e Lisboa com quebras expectáveis de 20% em termos do volume. As regiões do Minho (10%) e das Terras de Cister (10%), por sua vez, deverão apresentar os maiores aumentos percentuais.

O IVV referiu ainda que, no geral, as uvas apresentam um “bom estado fitossanitário”, sem doenças ou pragas. No entanto, o calor e a falta de água “poderão acentuar o stress hídrico, pelo que as condições climatéricas que se verificarem até à vindima, serão determinantes na quantidade e qualidade da colheita”, apontou.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 8 de agosto

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Zaporizhzhia. Ucrânia e Rússia querem visita da AIEA à central nuclear após ataques

Os apelos surgem depois de acusações mútuas sobre a origem dos ataques ao reator da central nuclear de Zaporiyia, no sul da Ucrânia.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

EUA preparam-se para investir 362 mil milhões no combate às alterações climáticas; Pfizer adquire biofarmacêutica em troca de 5,3 mil milhões; Continuam os exercícios militares chineses perto da ilha de Taiwan
Comentários