Produção de vinho no Alentejo atinge 100 milhões de litros

A produção de vinho no Alentejo deve registar este ano 100 milhões de litros, quantidade idêntica à alcançada em 2013, revelou hoje a presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), considerando que a qualidade é “muito boa”. “Embora os valores da campanha ainda não estejam fechados”, diz Dora Simões, as estimativas da CVRA apontam para […]

A produção de vinho no Alentejo deve registar este ano 100 milhões de litros, quantidade idêntica à alcançada em 2013, revelou hoje a presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), considerando que a qualidade é “muito boa”.

“Embora os valores da campanha ainda não estejam fechados”, diz Dora Simões, as estimativas da CVRA apontam para “uma produção este ano a rondar os 100 milhões de litros, quando em 2013 atingiu 105 milhões de litros” de vinhos com Denominação de Origem Controlada (DOC) e Regional Alentejano.

Relativamente à qualidade do vinho, a presidente da CVRA assegurou à agência Lusa que “será muito boa”.

“Isto apesar de ter sido uma campanha um pouco difícil, por causa das condições climatéricas, com alguma chuva que se registou na segunda metade da vindima. Havia várias regiões que já tinham a vindima feita e outras que estavam ainda a realizá-la”, acrescenta.

Para a presidente da CVRA, “apesar destas dificuldades, este vai ser um ano bastante bom na produção de vinho do Alentejo e também em termos de qualidade”.

Sobre as exportações, Dora Simões destaca que “estão a crescer”, sobretudo para Angola, Brasil, Estados Unidos e Canadá, os principais mercados de exportação dos vinhos do Alentejo.

Para Angola, segundo a responsável, foram exportados mais de quatro milhões de litros de vinho do Alentejo, em 2013, mercado que “tem mostrado crescimentos bastante grandes”, e para o Brasil, outro mercado “em crescimento”, o volume de exportação, no ano passado, foi de 2,6 milhões de litros.

A presidente da CVRA indica também que continua a haver “grandes aumentos” nas exportações para os Estados Unidos, Canadá e Suíça e que, por outro lado, “não tem havido crescimento” nas vendas para os mercados da União Europeia.

“No respeitante às exportações, tem-se registado um movimento muito positivo, fruto de muita proatividade dos próprios produtores, que investem bastante nesta área”, realça.

O Alentejo é a região líder no mercado nacional, quer na quota de mercado em volume (44,9%), quer em valor (46,7%), segundo os dados da ACNielsen, na categoria de vinhos engarrafados de qualidade com classificação DOC (Denominação de Origem Controlada) e IG (Indicação Geográfica).

Os vinhos do Alentejo juntam 263 produtores e 97 comerciantes, numa área total de vinha de 21.970 hectares, sendo de 11.371 hectares a área total de vinha aprovada para DOC Alentejano.

O Alentejo tem oito sub-regiões vitivinícolas: Portalegre, Borba, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vidigueira, Moura, Évora e Granja/Amareleja.

OJE/Lusa

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.