Produção industrial alemã cai para mínimos de uma década

Produção nas fábricas da Alemanha recuou para 5,7% em outubro. Economia da Alemanha volta a dar sinais de fraqueza, depois de ter escapado a uma recessão técnica no terceiro trimestre.

A economia alemã volta a dar sinais de fraqueza, com a produção industrial a cair para 5,3% em outubro, em comparação com o ano anterior, naquela que foi a maior queda desde 2009. Segundo dados do Destatis, divulgados esta sexta-feira, também em cadeia recuou 1,7%.

A produção industrial é considerado um dos mais importantes barómetros sobre a saúde da economia da Alemanha e com impacto para a economia portuguesa e os analistas aguardam agora mais dados sobre o consumo.

“Em outubro de 2019, a produção industrial excluindo a energia e a construção caiu 1,7%”, explica o organismo de estatística alemão, revelando que a produção de bens intermediários aumentou para 1% e a produção de bens de consumo 3%.

A economia alemã evitou uma recessão técnica no terceiro trimestre, ao crescer 0,1% depois de ter recuado 0,2% no trimestre anterior. A desaceleração do crescimento da maior economia europeia tem sido atribuído às tensões comerciais e à incerteza em torno do Brexit.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários