Produção industrial cresce 2,1% na zona euro e 1,9% na UE

Na zona euro, a rubrica que verificou um maior aumento mensal foi a produção de bens de capital, que cresceu 2,6%, e dos bens intermédios, cuja produção aumentou 2,1%, seguidos pelos bens de consumo duradouros (1,3%), energia (1,2%), enquanto a produção de bens de consumo não duradouros caiu 0,4%. Portugal regista um aumento de 0,7% face ao mês anterior.

A produção industrial subiu 2,1% em comparação com o mês anterior na zona euro e 1,9% na União Europeia (UE), mostram dados hoje revelados pelo Eurostat. Em termos homólogos, a produção industrial de julho caiu 3,8% na zona euro e 3,1% na UE.

Na zona euro, a rubrica que verificou um maior aumento mensal foi a produção de bens de capital, que cresceu 2,6%, e dos bens intermédios, cuja produção aumentou 2,1%, seguidos pelos bens de consumo duradouros (1,3%), energia (1,2%), enquanto a produção de bens de consumo não duradouros caiu 0,4%. Portugal regista um aumento de 0,7% face ao mês anterior.

Na UE, a produção de bens de capital cresceu 2,6%, os bens intermédios 2,1%, os bens de consumo duradouros 1,3% e a energia 1,2%, enquanto a produção de bens de consumo não duradouros caiu 0,4%. Entre os Estados-Membros para os quais existem dados disponíveis, os maiores aumentos foram registados na Bélgica (+ 6,9%), Alemanha (+ 3,4%) e Eslovénia (+ 3,1%). As maiores quedas foram observadas na Dinamarca (-5,8%), Grécia (-3,0%) e Lituânia (-1,7%).

Numa comparação homóloga com 2019, na zona euro a produção de bens de capital caiu 8,2%, os bens de consumo não duradouros 2,1% e os bens intermédios 1,3%, enquanto as produções de bens de capital duradouros de consumo aumentaram 0,3% e a energia 0,1%. A produção industrial em Portugal mantém-se inalterada face a outubro de 2019.

Na UE, a produção de bens de capital caiu 7,1%, os bens de consumo não duradouros 2,4%, a energia 1,5% e os bens intermediários 0,5%, enquanto as produções de bens de consumo duradouros aumentaram 2,3%. Entre os Estados-Membros para os quais existem dados disponíveis, as maiores reduções da produção industrial foram registadas na Irlanda (-15,5%), Dinamarca (-9,2%) e França (-4,3%). Os maiores aumentos foram observados na Bélgica (+ 5,4%), Polónia (+ 3,4%) e Croácia (+ 2,8%).

Recomendadas

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.
Comentários