Produção industrial desacelera para 3,2% penalizada pela energia

O índice registou uma variação homóloga de 3,2% em novembro, abrandando face aos 4,3% de outubro, segundo dados do INE.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística, hoje, divulgados, referem um crescimento homólogo de 4,7% (6,2% no mês anterior) nas indústrias transformadoras. Com exceção da energia, todos os grandes agrupamentos industriais apresentaram taxas de variação positivas. Na energia, o índice diminuiu 3,4% em novembro (variação de -3,9% no mês anterior) e contribuiu com -0,6 p.p. para a variação do índice total.

Em termos mensais, a produção industrial aumentou 0,8% em novembro, depois de dois meses consecutivos de quedas.

Os bens de consumo foram determinantes para a variação do índice agregado, com um crescimento de 3%. Em contrapartida, os bens de investimento travaram uma subida mais significativa, ao descerem 1,7%.

Relacionadas

Preços de produção industrial sobem 3,2%

A taxa de crescimento do índice que mede os preços na produção industrial aumentou em novembro.

FEPICOP prevê abrandamento do crescimento para 4,5% no próximo ano

O segmento da construção de edifícios residenciais deverá crescer 7,0% esperando-se que venha a constituir o principal impulso para o crescimento.
Recomendadas

Energia. Ligações entre Península Ibérica e França vão a cimeira em Alicante na sexta-feira

Em 20 de outubro, Portugal, França e Espanha alcançaram um acordo para acelerar as interconexões energéticas entre os três países, um “Corredor de Energia Verde”, com uma ligação por mar entre Barcelona e Marselha (BarMar) e outra, terrestre, entre Celorico da Beira e Zamora (CelZa).

Tribunal de Contas só recusa visto a 1% dos contratos em fiscalização prévia

“Recebemos para fiscalização prévia cerca de 2.000 a 4.000 contratos por ano só para fiscalização prévia, que são os contratos com valores superiores a 750 mil euros. Desse montante, apenas a uma percentagem muito reduzida é que o Tribunal de Contas recusa o visto: cerca de 1%. Aqui está a força dissuasora da função de fiscalização prévia”, explicou.

Portugal sobe duas posições no Ranking Mundial de Talento e é agora o 24.º mais competitivo

Portugal melhora sobretudo na Investigação & Desenvolvimento e na Preparação. O podium mundial é liderado pela Suíça, Suécia e Islândia, as três economias mais competitivas em talento a nível mundial entre os 63 países analisados pela escola de negócios IMD.
Comentários