Produção industrial registou aumento homólogo de 0,2% em novembro

O INE adianta que a evolução foi “particularmente influenciada pelo agrupamento de energia”, sem o qual o índice agregado teve uma variação de 3,2% (-1,3% no mês anterior).

A produção industrial registou um aumento na variação homóloga no mês de novembro de 0,2%. Este valor representa uma subida de 6,5 pontos percentuais (p.p.) face à descida de 6,3% verificada no mês anterior, segundo o Índice de Produção Industrial divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira, 30 de dezembro.

O INE adianta que a evolução foi “particularmente influenciada pelo agrupamento de energia”, sem o qual o índice agregado teve uma variação de 3,2% (-1,3% no mês anterior).

Todos os grandes agrupamentos industriais melhoraram face ao mês anterior, com destaque para os bens de consumo e de bens intermédios que apresentaram variações homólogas positivas de 4,9% e de 3,6%, respetivamente (0,4% e 1,0% em outubro), contribuindo com 1,6 pontos percentuais (p.p.) e 1,2 p.p., pela mesma ordem.

Já o agrupamento de energia apresentou o contributo negativo mais relevante (-2,4 p.p.), originado por uma taxa de variação de -13,0% (-26,0% no mês anterior).

Em termos mensais a produção industrial passou para os 1,2% em novembro face aos 0,4% do mês anterior, graças ao contributo positivo de todos os agrupamentos, com exceção dos bens de consumo que passou de uma taxa de variação de 4,6% em outubro para -2,2% no mês em análise.

Recomendadas

Goldman Sachs prevê que inflação medida pelo IHPC atinja 5% em outubro na zona euro

O banco norte-americano prevê ainda que o ano de 2023 verá a inflação ‘core’ em 2,9% (em comparação a 2,7%), e para 2024 deve atingir 2,2% (2,1% anteriormente), consequência de um arrefecimento mais lento das pressões da inflação ‘core’ até 2023.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Turismo do Centro teme retração de mercados internacionais em 2023

“O que temos mais certo é o imprevisível”, afirmou Pedro Machado, que falava aos jornalistas em Coimbra, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo, que se celebra na terça-feira.
Comentários