Produção na construção desce 0,4% na zona euro em outubro

Os dados foram divulgados esta terça-feira pelo Eurostat. O organismo de estatística da União Europeia assinala também que, comparativamente ao período homólogo do ano passado, a produção neste setor aumentou 2%, quer na zona euro, quer na União Europeia.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A produção na construção desceu 0,4% na zona euro em outubro, de acordo com a informação divulgada esta terça-feira pelo Eurostat.

Face a setembro, a produção ajustada sazonalmente na construção diminuiu 0,4% na zona euro e 0,7% na União Europeia. No mês anterior, este indicador tinha registado um crescimento de 0,1% nos países de moeda única, enquanto assinalou uma queda de 0,2% no bloco europeu.

Por outro lado, o organismo de estatística da União Europeia assinala que, comparativamente ao período homólogo do ano passado, a produção neste setor aumentou 2%, quer na zona euro, quer na União Europeia.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) informou, no passado dia 12 de dezembro, que, na produção da construção nacional, a subida na taxa de variação homóloga foi de 2,6% e 0,1 pontos percentuais na comparação com o mês anterior, graças à aceleração no segmento de construção de edifícios, que “mais que compensou o ligeiro abrandamento observado no segmento da engenharia civil”.

Em atualização

Relacionadas

Obras concluídas aumentam 23,2% no terceiro trimestre em 2017

Ao todo foram concluídos 3,3 mil edifícios no terceiro trimestre, de acordo com dados preliminares no setor da Construção.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários