Professor ou sabichão? Que tipo de condutor é?

A Goodyear e a London School of Economics and Political Science (LSE) estudaram os comportamentos dos condutores e organizaram as suas personalidades em sete perfis de condução. O fabricante de pneus desafia agora todos os interessados a descobrir qual é a sua personalidade ao volante. O teste, assente nas conclusões do estudo da LSE, está disponível online. […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Goodyear e a London School of Economics and Political Science (LSE) estudaram os comportamentos dos condutores e organizaram as suas personalidades em sete perfis de condução.

O fabricante de pneus desafia agora todos os interessados a descobrir qual é a sua personalidade ao volante. O teste, assente nas conclusões do estudo da LSE, está disponível online.

As diferentes personalidades ao volante manifestam-se em diversas situações, quando os condutores interagem entre si na estrada. “A maioria destes comportamentos pode originar situações perigosas na estrada. Compreender que tipo de comportamento exibimos e que situações o provocam é o primeiro passo para o podermos controlar de uma forma adequada, criando assim um ambiente de condução mais seguro para nós e para os outros na estrada” declara Olivier Rousseau, vice-presidente de Pneus de Consumo da Goodyear na Europa, Médio Oriente e África.

 

Os tipos de condutores:

– O Professor: necessita de se certificar de que os restantes condutores estão cientes dos seus erros e espera reconhecimento dos seus esforços para ensinar outros.

– O Sabichão: acha que está rodeado por pessoas incompetentes e contenta-se em gritar em  tom condescente com os outros condutores na proteção do seu próprio automóvel.

– O Competitivo: precisa de passar à frente de todos os outros condutores e irrita-se quando alguém se intromete no caminho. É provável que acelere quando alguém o tenta ultrapassar ou reduza a distância entre ele e o automóvel da frente para impedir que outra pessoa se meta à sua frente.

– O Justiceiro: quer punir os outros condutores por qualquer comportamento considerado incorreto. Pode acabar por sair do seu automóvel ou abordar os outros condutores diretamente.

– O Filósofo: aceita as falhas dos outros condutores e tenta explicá-las racionalmente. Consegue controlar os seus sentimentos quando conduz.

– O Evasivo: trata os condutores que cometem infrações de forma impessoal, considera-os apenas um perigo.

– O Fugitivo: ouve música ou fala ao telefone para se isolar. Os fugitivos distraem-se com relações sociais selecionadas para não se relacionarem com nenhum dos outros condutores na estrada. É uma estratégia para evitarem ficar frustrados desde o primeiro momento.

 

Recomendadas

João Gonzalez é um dos cinco nomeados para os Prémios do Cinema Europeu 2022

Com 34 prémios e mais de 90 seleções oficiais de festivais de todo o mundo, o filme de João Gonzalez, “Ice Merchants”, é agora um dos cinco nomeados para os Prémios do Cinema Europeu, na categoria de Melhor Curta-Metragem. A 10 de dezembro serão conhecidos os vencedores.

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.