“Professores e escolas sem perspetivas de receberem computadores”, diz presidente de Associação de Escolas Públicas

O Governo prometeu o reforço de computadores para escolas públicas e privadas. No entanto, o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas diz que não há indícios para que tal aconteça.

O ensino à distância regressou na semana passada, mas a falta de computadores continua a ser um problema não só para os alunos, como também para os professores. Segundo contou ao Jornal Económico o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, não existem perspetivas de reforço de computadores para professores ou nas escolas.

Na perspetiva de Filinto Lima, “o ministério devia dar indícios de distribuição de computadores para professores e escolas”. “Somos mais de 100 mil professores, nem um teve a título de empréstimo facultado pelo Ministério da Educação”. “Se o professor não tem direito a uma cedência temporária é desmotivador para algumas pessoas”, completa.

Segundo o presidente da ANDAEP, tanto professores como alunos reforçaram “as competências digitais” e recorrem “cada vez mais ao digital”. No entanto, à chegada às escolas, “os computadores são os mesmos, não são melhores”, assegura Filinto Lima.

Como muitos docentes não têm possibilidades de trabalhar a partir de casa vão para as escolas, uma situação relatada por Filinto Lima, mas que também já tinha sido denunciada pela FENPROF.

Apesar de tentarem contornar o problema de não terem material suficiente em casa para trabalhar, os professores não têm mais sorte quando se deslocam à escola sendo que as condições dos materiais informáticos nas escolas não são de grande qualidade, segundo a ANDAEP

A 4 de fevereiro, o Governo aprovou, em Conselho de Ministros (CM) o reforço de verbas para a compra de computadores.

Em comunicado, o Executivo de António Costa apontou que a despesa destinava-se ao acesso e utilização de recursos didáticos, “nos estabelecimentos de ensino públicos e particulares e cooperativos”. Apesar da promessa, não foi dada uma data de quando se vai realizar a entrega deste material.

Relacionadas

Procura por computadores portáteis aumenta 70% com ensino à distância

Os distritos com maiores subidas são Faro (110%), Aveiro (97%) e Coimbra (91%). Já os distritos com mais respostas a anúncios destes itens são Lisboa, Porto e Setúbal.
Recomendadas

Notas sobem no Politécnico de Lisboa durante a pandemia

A pandemia da Covid-19 trouxe disrupção ao ensino superior, obrigando as instituições a adaptar novas metodologias de ensino-aprendizagem e adotar métodos de avaliação distintos.

Universidades e politécnicos dão o exemplo no ambiente

O JE Universidades foi medir o pulso ao compromisso do ensino superior com o desenolvimento sustentável e encontrou dezenas de medidas que vão ser implementadas em 2022.

Técnico perpetua legado de M. Lourdes Pintasilgo

Helena Pereira e Maria Teresa Parreira são o rosto do sucesso das mulheres do Técnico.
Comentários