PremiumProfessores em greve, mas ministro da Educação resiste

Desde o início de dezembro queos professores estão em greve. O Governo está desgastado, dizem os politólogos, mas é o ministro das Finanças, mais do que o da Educação, que tem sobre si o holofote.

Há várias semanas que os professores estão em greve. A revisão do regime dos concursos de colocação, a recuperação do tempo de serviço congelado, a aposentação, a mobilidade por doença e a precariedade são algumas das matérias que têm levado os docentes a protestar e, apesar de ter mostrado abertura para negociar, o Governo ainda não foi capaz de apresentar propostas que satisfaçam os trabalhadores, sendo que essa tensão entre os professores e o Governo do Partido Socialista (PS) tem já raízes mais longas do que as paralisações recentes.

“Há um histórico”, salienta André Freire, politólogo do ISCTE, lembrando o Governo de José Sócrates. “A relação não tem sido fácil”, confirmam Patrícia Silva, politóloga da Universidade de Aveiro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Negociações sobre concursos prosseguem hoje com protesto em frente ao Ministério da Educação

Depois de duas reuniões, na quarta-feira, com a Federação Nacional da Educação (FNE) e cinco sindicatos, a tutela recebe hoje a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e outras cinco organizações, incluindo o STOP e o SIPE, promotores de duas das greves em curso nas escolas.
Recomendadas

Sindicatos rejeitam acordo global e dez acordos “a granel” propostos pelo Ministério da Educação

O líder da Fenprof admitiu avanços em algumas áreas na negociação com o Governo. Contudo assume desacordos, linhas vermelhas e propostas que diz serem inaceitáveis.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

FENPROF ameaça fazer queixa se professores forem impedidos de fazer greve devido a serviços mínimos

O sindicalista denunciou um caso que terá ocorrido em Faro em que professores terão sido impedidos de estar numa reunião sindical tendo sido invocado para o efeito os serviços mínimos.
Comentários