Professores voltam a não chegar a acordo com o Governo

“Vamos pedir uma nova reunião ao senhor Presidente da República, e vamos reunir os dez sindicatos para definir o plano de lutas que vamos desenvolver durante 2019”, disse o sindicalista.

Foto cedida

“O Governo não alterou nem uma vírgula à proposta de recuperar apenas dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço que esteve congelado”, disse Mário Nogueira da Fenprof que voltou a acusar o Governo de respeitar os professores e acrescentando que deste vez “desrespeitou também a Assembleia da República”.

Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), falava à saída da reunião convocada pelo Ministério da Educação.

“Acabámos de sair da reunião mais absurda que se pode imaginar”, adiantou o líder da estrutura sindical.

Dez sindicatos de professores estiveram hoje reunidos com a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, e com a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Fátima Fonseca, para, mais uma vez discutir a recuperação do tempo de serviço da carreira docente que esteve congelado.

Mas o Governo mantém a proposta de recuperar apenas dois anos, nove meses e 18 dias dos nove anos, quatro meses de dois dias reivindicados pelos sindicatos dos professores.

“O que é que vamos fazer? Querem guerra, guerra terão. Vamos pedir de imediato uma reunião aos grupos parlamentares para levar esta mensagem: o Governo hoje também desrespeitou a Assembleia da República. Vamos pedir também uma nova reunião ao senhor Presidente da República, e vamos reunir os dez sindicatos para definir o plano de lutas que vamos desenvolver durante 2019”, disse o sindicalista.

Recomendadas

Câmara de Lisboa alerta para “chuva persistente” prevista para sábado à noite

A autarquia pediu para que a população tome precauções. A Câmara de Lisboa disse que os agentes de Proteção Civil da cidade, os serviços operacionais municipais e elementos das Juntas de Freguesia “estão de prevenção para a mais pronta resposta à cidade”.

Novo comandante da GNR da Guarda afirma-se intolerante a atos racistas e xenófobos

O novo comandante disse que não vai tolerar “comportamentos ou atos de discriminação, racismo, xenofobia, ou qualquer outra forma que atente contra a dignidade humana e os direitos fundamentais”.

Ucrânia: secretário-geral da NATO teme que conflito alastre para guerra global

O secretário-geral da NATO alertou que os combates na Ucrânia podem sair do controlo e o atual conflito transformar-se numa guerra entre a Rússia e a NATO.
Comentários