PremiumProfissionais do turismo optam pelo imobiliário

Profissionais de engenharia, arquitetura e marketing olham para a falta de emprego como oportunidade de mudança para o setor imobiliário. Até final do ano, poderão ultrapassar os 50% de recrutados.

A atual falta de emprego provocada pela pandemia do coronavírus no setor do turismo está a ser vista como uma oportunidade de mudança de área, mais concretamente o imobiliário.

O turismo está a ser um dos setores mais afetados pela Covid-19 e já registou quebras acima dos 80%, sendo que na hotelaria algarvia, por exemplo, se registaram perdas na ordem dos 850 milhões de euros.

Em declarações ao Jornal Económico (JE), Constanza Maya, Head of Operations & Expansion da Engel & Völkers em Espanha, Portugal e Andorra, refere que o imobiliário “está muito vinculado ao turismo e não é apenas em momentos de crise ou de falta de emprego que os profissionais do turismo decidem entrar no universo imobiliário”.

A explicação deve-se ao facto de os perfis dos trabalhadores de ambas as áreas serem semelhantes, nomeadamente as “capacidades de atenção ao cliente, orientação ao serviço e facilidade ao nível das línguas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Procura por quartos aumenta cerca de 50% em comparação ao ano passado

Segundo a Imovirtual “desde junho de 2021 até ao presente, existem dois grandes picos de procura, que ocorrem no início de setembro de 2021 e no início de setembro de 2022”.

Volkswagen Financial Services cria novo hub tecnológico em Matosinhos com apoio da CBRE

A CBRE, consultora na prestação de serviços para o sector imobiliário, acaba de fixar o novo hub tecnológico da Volkswagen Financial Services no Lionesa Business Hub, em Leça do Balio, no concelho de Matosinhos. As instalações da empresa alemã ocupam um total de 1.100 metros quadrados.

Preços da habitação aumentaram 13,2% no segundo trimestre e atingem recorde

No trimestre de referência, investidores não residentes foram responsáveis por 6,4% do número total de transações (2.783 habitações), correspondendo a 11,9% do valor total transacionado. Nesta procura, a categoria União Europeia correspondeu a 3,6% e os restantes países a 2,8%. 
Comentários