Profissionais de saúde podem vir a ter livro de reclamações

A proposta apresentada pela Ordem dos Médicos prevê a criação de um livro de sugestões/reclamações, em formato digital para melhorar “a qualidade de todas as instituições de saúde”.

A Ordem dos Médicos propôs ao Ministério da Saúde a instituição de um Livro de Reclamações para profissionais de Saúde, eventualmente apenas em formato digital, que “deve obedecer às mesmas regras e ser enviado às mesmas instituições que auditam o Livro Amarelo que se encontra à disposição dos utentes, para que seja objeto de escrutínio independente”.

Em comunicado, a Ordem explica que “pretende que esta proposta seja entendida como uma contribuição positiva e não como uma crítica e gostaria que este Livro de Sugestões/Reclamações se pudesse transformar num ‘livro de cabeceira’ e de melhoria contínua da qualidade de todas as instituições de saúde e do próprio Ministério da Saúde”.

O Conselho Nacional Executivo da Ordem decidiu avançar com a proposta em setembro do ano passado, tendo recuado devido à aproximação do período eleitoral e o clima político instável. Agora a Ordem admite existir um ambiente de diálogo “mais saudável e um conjunto de decisões mais positivas do que no passado”.

A Ordem dos Médicos indica que “persistem os problemas de grave subfinanciamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS), com o inevitável cortejo de consequências negativas para os doentes” e pede, por isso, uma melhoria da “participação e contribuição ativa e construtiva de todos”.

Recomendadas

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.
Comentários