Programa Apoiar alarga apoios a quebras de faturação na Cultura em relação a 2019

O Programa Apoiar passa a compensar quebras de faturação no setor da Cultura, verificadas no último trimestre de 2020, em relação ao período homólogo de 2019.

O Programa Apoiar passa a compensar quebras de faturação no setor da Cultura, verificadas no último trimestre de 2020, em relação ao período homólogo de 2019, ainda em pré-pandemia, anunciou o Ministério da Cultura.

A decisão surge quando estão a entrar em vigor novas medidas restritivas, a vigorar de 25 de dezembro a 09 de janeiro, no âmbito da situação de calamidade, declarada pelo aumento de incidência de infeções pelo SARS-CoV-2.

A declaração destas medidas levou o Governo “a ajustar a resposta que vem sendo dada ao setor cultural, designadamente através da alteração do Regulamento do Programa Apoiar”, para minorar o impacto económico resultante da imposição das novas regras sanitárias, “num ano particularmente difícil para o setor dos eventos cultuais”.

Esta alteração ao Programa Apoiar permite contemplar agora “um novo pagamento correspondente a 20% das quebras de faturação apuradas entre o 4.º trimestre de 2020 e o 4.º trimestre de 2019, com tetos de apoio alargados, para atividades relacionadas com a realização de eventos culturais, designadamente atividades de teatro, de música, de dança e cinematográficas”, como se lê na informação enviada à agência Lusa, pelo gabinete da ministra Graça Fonseca.

“Assim, este novo pagamento extraordinário quando destinado a atividades culturais, poderá atingir, para empresas com quebras de faturação entre 25% e 50% no período de referência, um apoio de até 1.000 euros para empresários em nome individual; 2.500 para microempresas; 13.750 para pequenas empresas; 33.750 euros para as médias empresas”.

Porém, se a empresa apresentar quebras de faturação superiores a 50% no período de referência, o apoio poderá elevar-se a 1.500 euros para empresários em nome individual; 3.750 para microempresas; 20.625 para pequenas empresas; e 50.625 paras as médias empresas”.

“O Governo continuará a analisar e a avaliar a situação, ajustando as respostas em função da evolução da situação epidemiológica e das medidas adotadas no combate à pandemia”, conclui o comunicado.

O Programa Apoiar, da Agência para a Competitividade e Inovação, consiste num apoio de tesouraria, sob a forma de subsídio a fundo perdido, “para empresas de setores particularmente afetados pelas medidas excecionais aprovadas no contexto da pandemia de covid-19”, como se lê no seu ‘site’.

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários