Programa Capitalizar Açores recebeu três candidaturas no valor de 38,75 milhões

Terminada a primeira fase para apresentação de propostas, o Programa Capitalizar Açores recebeu três candidaturas no valor de 38,75 milhões de euros, avança em comunicado o Banco Português de Fomento (BPF), que é a entidade gestora do programa. As três candidaturas são de sociedades gestoras para constituição ou reforço de fundos de capital de risco.

Terminada a primeira fase para apresentação de propostas, o Programa Capitalizar Açores recebeu três candidaturas no valor de 38,75 milhões de euros, avança em comunicado o Banco Português de Fomento (BPF), que é a entidade gestora do programa.

As três candidaturas são de sociedades gestoras para constituição ou reforço de fundos de capital de risco, representando uma procura de 38,75 milhões de euros e um impacto estimado na economia de 58 milhões de euros.

Sendo a dotação inicial do Programa de 50 milhões de euros, através de recursos do Fundo de Capitalização das Empresas dos Açores (FCEA), “o BPF informa que o aviso se mantém em aberto para aceitação de candidaturas, enquanto houver dotação disponível para atribuir ou até decisão em contrário da Entidade Gestora, numa metodologia de first-in-first-served, desde que os potenciais candidatos cumpram as condições de elegibilidade e a avaliação mínima prevista”.

“Desenvolvido ao abrigo do FCEA, por sua vez criado pelo Governo dos Açores, no âmbito do investimento “Recapitalizar o Sistema Empresarial dos Açores” do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o Programa Capitalizar Açores destina-se a apoiar a subscrição de fundos de capital de risco para investimento em PME e Mid Caps, incluindo Cooperativas e Associações, sedeadas na Região Autónoma dos Açores, com especial destaque para as empresas impactadas pela pandemia de Covid-19, mas economicamente viáveis e com potencial de recuperação”, explica o Banco de Fomento.

O Programa tem por finalidade promover o crescimento, expansão e consolidação de projetos empresariais, bem como o desenvolvimento de novas áreas de negócio e novos produtos, através da restruturação dos respetivos modelos de negócio e a profissionalização e reforço da equipa de gestão dos Beneficiários Finais sedeados na Região Autónoma dos Açores.

Para Beatriz Freitas, CEO do Banco Português de Fomento, “o Programa Capitalizar Açores representa um importante contributo para potenciar o investimento nas empresas da Região Autónoma dos Açores e melhorar a capitalização do tecido económico regional, neste período de recuperação e relançamento da economia”.

Segundo o BPF, os principais objetivos deste programa passam por contribuir para o fortalecimento de PME e Mid Caps, incluindo Associações e Cooperativas, economicamente viáveis, com potencial de crescimento e inovação, com especial enfoque nas empresas exportadoras; por promover o investimento em empresas que desenvolvam processos de investimento enquadrados em dinâmicas de consolidação setorial, no mercado nacional e internacional; por contribuir para a solução do problema de subcapitalização do tecido empresarial português, promovendo o aumento da autonomia financeira das empresas; por apoiar a consolidação empresarial, atendendo a que o mercado se encontra fortemente fragmentado; e por colmatar a falha de mercado no que diz respeito a acesso a instrumentos financeiros e de capital por parte dos Beneficiários Finais regionais.

 

Recomendadas

Alteração da percepção de risco foi ponto positivo da pandemia, destaca responsável da Prévoir Portugal

No painel “Novos Paradigmas: ramo vida e seguros de pensões”, do Fórum Seguros organizado pelo Jornal Económico, debateram-se as perspectivas de futuro para estes dois ramos. A literacia financeira mas também as exigências dos novos consumidores são temas que estão no foco das seguradoras.

BNU em Macau com lucro de 4,68 milhões no trimestre, menos 64% do que em 2021

O Banco Nacional Ultramarino (BNU) em Macau registou um lucro de 39,9 milhões de patacas (4,68 milhões de euros) no primeiro trimestre de 2022, menos 63,6% em termos anuais.

Doenças crónicas, prevenção e preços mais altos são os principais desafios dos seguros de saúde

“Chamamos seguro de saúde, mas na verdade estamos a financiar o tratamento da doença”, lamentou o CEO da AdvanceCare no evento “Fórum Seguros 2022”, organizado pelo Jornal Económico.
Comentários