Programa Mundial de Alimentos em Caracas para reforçar segurança alimentar

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reuniu-se segunda-feira, em Caracas, com uma delegação do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA), para “reforçar a segurança alimentar” dos venezuelanos.

O encontro teve lugar no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, e foi confirmado aos jornalistas pelo próprio Presidente da Venezuela, que sublinhou a importância de reforçar a cooperação com aquele organismo.

“Tive uma importante reunião com o diretor executivo do Programa Alimentar Mundial da ONU, David Beasley, com quem temos vindo a trabalhar em planos estratégicos de cooperação e apoio, com este organismo, para reforçar a segurança alimentar no nosso país”, anunciou Nicolás Maduro na sua conta na rede social Twitter.

Na reunião participaram também, entre outros, a diretora regional do PMA para a América Latina e Caraíbas, Maria Dolores Castro Benítez, e a representante daquele programa para a Venezuela, Laura Melo.

Da parte venezuelana, estiveram presentes a mulher do Presidente, Cília Flores, e o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Rodríguez.

A Venezuela e o PMA assinaram, em 19 de abril de 2021, um acordo para o fornecimento de refeições escolares nutritivas às crianças vulneráveis do país, e ao pessoal administrativo, professores, cozinheiros e trabalhadores dos centros educativos venezuelanos.

A assistência do PMA na Venezuela tem como propósito alcançar 1,5 milhões de pessoas, durante o ano escolar 2022-2023, e está centrada em crianças entre os 6 meses e os 6 anos, jovens estudantes e pessoas com necessidades especiais.

A visita da delegação do PMA tem lugar no momento em que várias organizações não-governamentais estão a alertar para o crescente número de casos de desnutrição em crianças e mães.

Recomendadas

Novo mecanismo de ‘financiamento verde’ para África faz primeiro negócio de 100 milhões

O Fundo de Liquidez e Sustentabilidade (LSF), criado pela UNECA e pelo Afreximbank, fez o seu primeiro negócio de 100 milhões de dólares, potenciando as emissões de dívida pública ‘verde’ dos países africanos, incluindo Angola.

China diz que repórter da BBC preso “não se identificou como jornalista”

A China disse hoje que o jornalista da BBC, detido no domingo, durante um protesto em Xangai, não se identificou como jornalista, após a cadeia televisiva britânica ter revelado que um dos seus colaboradores foi preso e “espancado” pela polícia.

Wynn Macau aumenta capital em 574 milhões de euros para nova licença de jogo

A operadora de jogo Wynn Macau Ltd anunciou um aumento de capital de quase 4,8 mil milhões de patacas (573,7 milhões de euros) para cumprir as regras impostas às novas licenças de jogo na região chinesa.
Comentários