Programa nacional põe jovens voluntários a ajudar quem não sabe usar a Internet

O programa de jovens voluntários MUDA tem um ‘hashtag’ próprio que pretende transmitir a vontade que esta geração tem para o país: #QUEROPORTUGALMAISDIGITAL.

O Movimento pela Utilização Digital Ativa lançou o Programa Nacional de Voluntários MUDA, o qual pretende pôr os jovens – que são nativos digitais – a ajudar as pessoas que não sabem utilizar a internet ou a ajudar a fazer uma utilização mais sofisticada.

No âmbito deste programa, o MUDA está a definir em conjunto com a DECO, através da iniciativa DECO Jovem, uma sensibilização junto dos estudantes maiores de 16 anos para fazerem parte dos voluntários MUDA; e com a Bolsa do Voluntariado da ENTREAJUDA, a maior do país, um ponto de encontro entre a procura e oferta de trabalho voluntário para assegurar que todos os portugueses tiram partido dos benefícios do digital.

O desafio colocado aos jovens prende-se com o facto de que mais de 25% dos portugueses nunca terem utilizado a Internet. Acresce que 40% da população portuguesa apenas faz uma utilização básica da Internet. O Programa de Voluntários MUDA pretende apelar aos jovens para serem agentes desta mudança – na sua casa, na sua rua ou até mesmo no seu bairro, explicando a quem lhes é mais próximo como fazer a transição para o digital. Esse apoio é em muitos casos algo muito simples, como por exemplo a criação de conta de e-mail ou aderir a uma rede social. Noutros casos passará por explicar as vantagens da adesão à fatura eletrónica, a utilização da banca online ou do e-commerce.

Sobre este projeto, Alexandre Nilo Fonseca, diretor executivo MUDA, salienta que “os jovens são nativos digitais”. “Quando nasceram já havia internet e eles usam-na sem pensarem na verdade que o estão a fazer. É natural e faz parte do seu ADN. Existem mais de 2 milhões de portugueses que nunca usaram a internet. Os jovens podem ajudar os mais velhos que não são digitais a criar o seu primeiro email, a usar uma rede social e mesmo a comunicar com aqueles que vivem noutro país”, diz.

Por outro lado, acrescenta, “existem muitos portugueses que fazem uma utilização muito básica da internet” e que “os jovens podem ser fundamentais na mudança de comportamentos em casa tais como acabar com as faturas em papel, só para dar um exemplo”. “Acreditamos que os jovens se vão mobilizar em 2018 por esta causa e vão Querer que Portugal seja mais digital”, salienta.

A partir de agora está no ar a página www.muda.pt/voluntario/ onde os voluntários podem aderir e ficar a saber como podem ajudar através dos tutoriais disponibilizados.

Relacionadas

Transformação Digital: setorial ou universal?

O Mundo está a mudar. Na verdade estamos já em mudança há algum tempo mas nunca a esta velocidade. A transformação digital não é mais uma tendência, é uma realidade transversal a toda a sociedade que não se cinge apenas a um setor.

Perspetivas Tecnológicas para 2018

A MIT Technology Review tem o hábito de apresentar perspetivas tecnológicas, reunindo um painel de especialistas em várias áreas. Aproveitando o facto de estarmos no dealbar de um novo ano, atrevo-me a mimetizar o exercício desta publicação.
Recomendadas

Dia Mundial do Professor. Marcelo felicita docentes pela “competência, dedicação e entusiasmo”

Numa nota publicada na página da Presidência da República na internet, é recordado que hoje se assinala o Dia Mundial do Professor, instituído pela UNESCO para “evidenciar o papel dos professores, absolutamente essencial para o sucesso das novas gerações e no desenvolvimento das sociedades”.

5 de outubro: Marcelo pede que se faça avançar democracia com “caminho para todos”

Num discurso de onze minutos, na cerimónia comemorativa dos 112 anos da Implantação da República, na Praça do Município, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável em Braga

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts.
Comentários