Programa UPskill quer formar mais mil pessoas em TIC

O primeiro-ministro participa esta terça-feira, 21 de dezembro, na cerimónia de lançamento da segunda edição do programa de requalificação UPskill, nas instalações da Startup Sintra, onde decorre a formação assegurada pelo ISCTE.

É lançada esta terça-feira, 21 de dezembro, a 2ª edição do programa UPskill – Digital Skills & Jobs, na presença do primeiro-ministro, António Costa. Participam na sessão de lançamento nas instalações da Startup Sintra, onde decorre a formação assegurada pelo ISCTE, a reitora, Maria de Lurdes Rodrigues e o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta.

A iniciativa de requalificação para as TIC UPskill junta o Estado, empresas, através da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações e o ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa e tem como objetivo “responder à crescente procura de talento por parte das organizações, e à escassez de profissionais de TIC no mercado, essencial para a transição digital. Em simultâneo, promove a requalificação de desempregados ou pessoas em situação de subemprego para áreas de grande empregabilidade”.

Segundo os promotores, candidataram-se a esta segunda edição cerca de 4 mil pessoas, existindo a ambição formar cerca de mil, em linha com as necessidades de talento reportadas pelas empresas aderentes do programa, com destaque para a Capgemini Engineering e NTT Data.

No âmbito desta edição está previsto o lançamento de 50 ações de formação em diferentes tecnologias, envolvendo 12 instituições de ensino superior em 12 cidades do continente, no litoral e no interior. As áreas de formação, onde as empresas identificaram necessidades, abrangem nomeadamente a programação, gestão de ambientes cloud, redes, plataformas CRM, plataformas ERP e plataformas de gestão bancária e seguros.

De acordo com os promotores, a primeira edição contabiliza até agora a contratação de 272 pessoas, número que pode vir a aumentar, uma vez que ainda há formandos em contexto real de trabalho a concluir a sua formação. A média de idades dos formandos desta edição é de 32 anos, destacando-se várias pessoas acima dos 50. As mulheres representaram cerca de 25% do total, uma percentagem acima da média nacional.

 

Recomendadas

PremiumFaculdade Egas Moniz muda de nome e investe no perfil de “universidade cívica”

Quatro décadas a formar profissionais de saúde e um processo de internacionalização bem sucedido dão à agora renomeada Egas Moniz School of Health & Science a aspiração de, a curto prazo, vir a ter o curso de Medicina.

Premium“Garantimos um ambiente universitário cada vez mais multicultural”

Será o ensino superior português inclusivo? Responsáveis pela vertente internacional das universidades procuram responder à questão.

“Aumentar e melhorar a ciência” é um desafio decisivo para as universidades

O Iscte assinala a 7 de dezembro os 50 anos da reforma lançada pelo ministro Veiga Simão que o criou, com um encontro nacional que quer abrir caminhos para melhorar a produção de ciência nas universidades públicas.
Comentários