Projeto ‘Go Jelly’ representa 6 milhões de euros para a Madeira

O presidente do executivo da Madeira salientou a Região como tendo dos centros mais avançados de aquacultura do país e alertou para o perigo da monocultura referindo que é importante existir diversificação.

O presidente do executivo madeirense, Miguel Albuquerque, acompanhou esta segunda-feira o lançamento do projeto ‘Go Jelly: A Gelatinous Solution to Plastic Pollution’, que representa 6 milhões de euros de verbas ao abrigo do programa Horizonte 2020.

Albuquerque referiu que o projecto ‘Go Jelly’ é uma “investigação pioneira” em cooperação com vários países em que através das alforrecas e do material gelatinoso se pode encontrar uma solução para combater “os microorganismo plásticos” que são das principais ameaças de poluição no atlântico.

Este projeto tem também outra vertente, em que a Madeira aplica 400 mil euros, em que se aproveita as alforrecas e se transforma esses animais para fins “químicos, medicinais, ou de alimentação”, explica Albuquerque.

“Estamos a ter um crescimento exponencial na aquacultura na Madeira”, realça o governante mas no entanto alertou para não se cair “na monocultura” que pode trazer problemas a médio e longo prazo. “É fundamental existir diversificação”, reforça Albuquerque.

Recomendadas

Preço do combustível baixa na Madeira. Gasóleo volta a ser mais barato que gasolina

A gasolina passa dos 1,642 para os 1,635 euros por litro e o gasóleo passa dos 1,652 para os 1,629 euros por litro.

Conheça algumas dicas para poupar no supermercado

A DECO, em parceria com a Junta de Freguesia do Caniço, irá dinamizar uma ação de sensibilização sobre “Comer bem é mais barato” no próximo dia 11 de outubro, pelas 15h30.

“Vamos brincar à caridadezinha”

O pacote de ajudas anunciado mais parece um penso rápido aplicado a uma ferida que de superficial não tem nada, pois além de pontual não compensa o poder de compra que as classes médias e baixas já perderam, só neste ano, pelo contrário, se a política de rendimentos actual continuar (baixos salários e pensões, empregos precários e a par de uma elevada carga fiscal…), a perda será ainda maior no próximo ano.
Comentários