Projetos de investimento florestal vão receber transferências de 38,5 milhões

As transferências vão ser feitas a partir do Fundo Florestal Permanente para os orçamento do IFAP e do ICNF.

A versão preliminar do Orçamento de Estado para 2020, a que o Jornal Económico teve acesso, prevê a realização de três transferências do Fundo Florestal Permanente para o IFAP – Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas e para o INF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas para financiamento de projetos de investimento florestal.

Em primeiro lugar, está prevista uma transferência do Fundo Florestal Permanente para o orçamento do IFAP, até ao montante de 12 milhões de euros, “para integrar o cofinanciamento nacional do apoio a projetos de investimento florestal, no âmbito do PDR 2020, proveniente de saldos de gerência, nos termos a definir por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e do ambiente e da ação climática”.

Depois, está programa uma outra transferência do Fundo Florestal Permanente para o orçamento do ICNF, até ao montante de 13 milhões de euros, “para o financiamento de ações de prevenção estrutural e da recuperação das áreas ardidas, proveniente de saldos de gerência, nos termos a definir por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças, do ambiente e da ação climática”.

Por fim, está ainda equacionada uma transferência de verbas do Fundo Florestal Permanente igualmente para o orçamento do ICNF até ao montante de cerca de 13,5 milhões de euros “para ações de prevenção estrutural e recuperação de áreas ardidas sob a sua gestão, nos termos a definir por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e do ambiente e da ação climática”.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários