Proposta do Governo que adia a extinção do SEF discutida hoje no parlamento (com áudio)

A extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que tinha sido decidida pelo anterior Governo e aprovada em novembro de 2021 no parlamento, estava prevista para 12 de maio, mas o executivo decidiu agora adiar a reforma daquele serviço de segurança, justificando o adiamento com a necessidade de amadurecer as alterações previstas, nomeadamente ao nível da formação de quem ficará no controlo aeroportuário.

A proposta do Governo que adia a extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras para quando estiver criada a Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA), ainda sem data, vai ser hoje debatida na Assembleia da República.

A extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que tinha sido decidida pelo anterior Governo e aprovada em novembro de 2021 no parlamento, estava prevista para 12 de maio, mas o executivo decidiu agora adiar a reforma daquele serviço de segurança, justificando o adiamento com a necessidade de amadurecer as alterações previstas, nomeadamente ao nível da formação de quem ficará no controlo aeroportuário.

Na proposta de lei, que vai a debate hoje em plenário com pedido de prioridade e urgência, o Governo aponta a dissolução da Assembleia da República, a pandemia de covid-19 e o contexto de guerra na Ucrânia como justificações para não ter avançado com a reestruturação dos serviços.

“A nova conjuntura decorrente da situação de conflito armado na Ucrânia, com exigentes implicações no plano humanitário, logístico e de controlo de fronteiras, geradas pelos novos fluxos migratórios, determinaram que não fosse possível implementar no prazo previsto a reformulação do regime das forças e serviços e a reafetação de competências”, refere o Governo na proposta do Governo.

Na sexta-feira, o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, não se comprometeu com uma data para a conclusão do processo, sublinhando que “mais importante do que o calendário é garantir que a transição seja serena, segura, tranquila” e com o “envolvimento de todos os atores”.

“Por entendermos que há dimensões desta transição institucional e reestruturação que não estão suficientemente amadurecidas, depois de uma avaliação efetuada com as forças e serviços que participam nesta transformação, entendeu o Conselho de Ministros deliberar pela opção de fazer entrar a lei em vigor por altura da aprovação do decreto-lei que constituirá e instalará a Agência para as Imigrações e Asilo”, disse José Luís Carneiro.

O ministro esclareceu ainda que a proposta que o Governo vai submeter para apreciação parlamentar estabelece que a lei que procede à restruturação do sistema português de controlo de fronteiras “só produzirá efeitos” quando for constituída a Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA).

Esta será a segunda vez que a extinção do SEF é adiada, depois de estar inicialmente prevista para janeiro e de ter sido adiada para maio devido à pandemia da covid-19.

A lei aprovada no parlamento determina que as atuais atribuições em matéria administrativa do SEF relativamente a cidadãos estrangeiros passam a ser exercidas por uma nova instituição, a Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo, e pelo Instituto dos Registos e do Notariado, além de serem transferidas as competências policiais para a PSP, GNR e Polícia Judiciária.

Atualmente o SEF tem cerca de 1.700 trabalhadores dos quais mais de 1.000 são inspetores.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Aplicação da Too Good To Go evitou que mais de um milhão de refeições fossem para o lixo em Portugal

A ‘app’ de combate ao desperdício alimentar tem mais de 980 mil utilizadores em Portugal. O objetivo é chegar aos 1,3 milhões ainda este ano, revelou esta quarta-feira a CEO e a diretora de marketing na Península Ibérica. Sabe a diferença entre “consumir até” e “consumir de preferência antes de”?

‘Monkeypox’. Identificados mais de 20 casos suspeitos de infeção pelo vírus em Portugal

Os casos de varíola dos macacos estão todos localizados na região de Lisboa e Vale do Tejo e são na sua maioria jovens do sexo masculino.
Comentários