Propriedade de Donald Trump foi alvo de buscas do FBI

A informação foi divulgada pelo antigo presidente através de um comunicado. As buscas acontecem durante uma procura incessante das autoridades norte-americanas por respostas, depois de terem sido encontrados documentos oficiais secretos num local próximo.

Carlos Barria/Reuters

O FBI procura há meses por documentos confidenciais pertencentes à Casa Branca e desta vez realizou buscas na propriedade onde mora Donald Trump, no empreendimento de luxo Mar-a-Lago, no estado da Florida, na costa Este dos EUA.

A operação faz parte de uma investigação que visa averiguar se o antigo presidente dos EUA levou da Casa Branca os mesmos documentos, segundo referiram fontes próximas do processo.

De acordo com as revelações feitas em comunicado pelo antigo presidente dos EUA, numa ação nunca antes vista relativamente a antigos presidentes daquele país, os agentes entraram sem avisar e abriram inclusive um cofre na busca por pistas. Trump garante que a intervenção das autoridades foi um ato de violação da lei.

O motivo das buscas não foi mencionado, mas o Departamento de Justiça norte-americano tem procurado, ao longo dos últimos meses, compreender como foi possível que tenham sido encontradas, também em Mar-a-Lago, 15 caixas com documentos pertencentes à Casa Branca, incluindo alguns que continham informações secretas.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários