Propriedades para alojamento local em Portugal com ocupação de 90% em julho

Este valor representa um aumento de 25% em relação ao mesmo período de 2019.

As propriedades para alojamento local (AL) em Portugal registaram uma taxa de ocupação de 90% no mês de julho, o que significou um aumento de 25% em relação ao mesmo período de 2019, revela a GuestReady, em comunicado esta sexta-feira, 5 de agosto.

A empresa líder de gestão de propriedades de aluguer de férias de curta e média duração indica que Portugal representou um terço das mais de 16 mil reservas geridas pela GuestReady no mês em análise e m todos os mercados onde a empresa está presente: Reino Unido, França, Emirados Árabes Unidos e Espanha.

Com entrada em Portugal no ano de 2018, a GuestReady gere atualmente mais de mil propriedades em todo o país, a maioria na zona norte, sendo que entre julho de 2019 e julho de 2022 observou um crescimento de 350% do seu portefólio no mercado português.

Em termos globais, a empresa gere mais de quatro mil propriedades nas mais de 30 cidades onde está presente, tendo atualmente uma taxa de ocupação média anual de cerca de 80%.

Rui Silva, Managing Director da GuestReady em Portugal e em Espanha, explica que “o alojamento local está a viver um período de grande procura. A nossa taxa de ocupação em Portugal é superior à nossa média global. No nosso país temos recebido principalmente hóspedes estrangeiros, mas também continuamos a receber muitos portugueses. Estamos muito confiantes de que agosto vai exceder todas as expectativas e terá uma taxa de ocupação ainda superior a julho”.

Relacionadas

GuestReady entra no mercado espanhol liderada por equipa portuguesa (com áudio)

A gestora de arrendamentos de curto prazo entrou em Portugal no ano de 2018 e expande agora as suas operações para as cidades de Madrid e Valência, onde vai contar com os 100 colaboradores que atuam no território português.

GuestReady lança campanha de financiamento à boleia dos recordes no alojamento local

Com os viajantes a procurarem alternativas aos tradicionais hotéis e com os investidores a procurarem oportunidades de entrada na indústria do turismo, o crescimento acelerado beneficia especialmente os estabelecimentos de Alojamento Local.
Recomendadas

Procura procura de imóveis para investimento aumenta 30% no Lisbon Green Valley

Das residências de tipologia T2, 50% foram comprados com o objetivo de investimento por via de arrendamento.

Projeto de luxo de imobiliária portuguesa vendeu 70% dos apartamentos em menos de dois meses

Situado na Avenida da Boavista, o “Enlight” tem apenas seis das 21 residências para venda, num edifício composto por sete andares. As áreas exteriores, em varandas, jardins ou pátios, vão até aos 105,3m2, enquanto os interiores chegam aos 280,5m2.

Comprar casa na rua mais cara de Portugal custa mais de quatro milhões de euros

Na lista das 10 ruas mais caras para compra de habitação no país nove situam-se em Lisboa. A única exceção é Setúbal onde a residência com o valor mais elevado supera os três milhões de euros.
Comentários