Proteção Civil ignora envio de alertas por telemóvel

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) desconsiderou o uso das SMS de alerta à população antes e durante as depressões “Elsa” e “Fabien”, segundo a edição de hoje do JN.

Glenn Carstens-Peters on Unsplash

De acordo com o último balanço dos dois temporais (e apesar das 10700 ocorrências, 144 desalojados e 320 deslocados) a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) “optou por não usar aquele que é considerado internacionalmente um dos melhores meios de aviso e que até levou o Governo a alterar a lei dos Sistemas de Alerta”.

Na notícia, publicada na edição de hoje do Jornal de Notícias, lê-se ainda que o Estado prescindiu de utilizar tecnologia de contacto com a população que custou 900 mil euros. Em julho deste ano, recorda o JN, o Estado pagou este valor à Vodafone, NOS e MEO, pelas SMS durante um ano – este é um dos contratos da ANEPC que estão sobre investigação do Ministério Público, no âmbito do caso das golas antifumo.

Ao JN, Miguel Cruz, adjunto de operações da ANEPC, admitiu que “a opção passou por trabalhar mais a ligação com as populações via comunicados de imprensa com a colaboração dos órgãos de comunicação social”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Sindicato dos Jornalistas critica ministro do Ambiente (com áudio)

Em causa está a recusa em prestar comentários aos jornalistas durante a 5.ª edição do Portugal Mobi Summit.

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quinta-feira

“Há mais hospitais a falhar tempos de espera para consultas de saúde mental”; “Máfia dos passaportes na mira da Polícia”; “Nigéria falha quatro entregas de gás natural a Portugal”
Comentários