Protestos de solidariedade com mulheres iranianas decorrem sábado em Lisboa e Coimbra

Os protestos decorrem depois da polémica morte de Mahsa Amini, uma jovem de 22 anos, por usar o hijab de forma incorreta.

Este sábado, 1 de outubro, vão decorrer protestos em solidariedade para com as mulheres iranianas em Lisboa e em Coimbra. A iniciativa sucede à onda de protestos das mulheres no Irão.

Em Lisboa, a concentração em solidariedade com as mulheres iranianas e pelo fim da opressão no Irão decorrerá no Rossio, pelas 15h. Em Coimbra, a iniciativa está marcada para a Praça 8 de Maio, a partir das 16h30.

Os protestos decorrem depois da morte de Mahsa Amini. A jovem de 22 anos passeava com a família em Teerã, capital do país, quando foi detida pela Patrulha de Orientação, também conhecida como a “polícia da moralidade”, por não estar a usar o hijab da maneira correta, deixando uma parte do cabelo à mostra.

Depois de ter sido anunciada a morte de Mahsa Amini, mulheres iranianas organizaram protestos e várias delas estão a pedir ajuda através das redes sociais, o que já fez com os perfis que fossem bloqueados em território iraniano. Nas concentrações as mulheres queimaram hijabs e cortaram o cabelo como forma de honrar a memória da Amini.

A Alta Comissária Adjunta para os Direitos Humanos das Nações Unidas, Nada al-Nashif, já admitiu apoiar “o ato de bravura das iranianas” e pediu uma investigação do caso.

Recomendadas

Violência doméstica. APAV junta-se à hamburgueria A-100 em ação de sensibilização

A hamburgueria compromete-se a doar à APAV um euro por cada sobremesa vendida esta sexta-feira e vai iniciar uma angariação de fundos na sua página de Instagram até ao final do ano, com o dinheiro a reverter a favor da associação.

Crime de violência doméstica representa metade das medidas de vigilância eletrónica

Entre 2.224 solicitações de vigilância através de pulseira eletrónica recebidas pela DGRSP de janeiro a outubro deste ano, 1.126 ocorreram no âmbito do crime de violência doméstica, correspondendo a 50,63% do total.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários