Providência cautelar? “Medida está a ser estudada”, admitem bares e discotecas

Em causa está a antecipação do encerramento destes establecimentos que poderá acontecer já na próxima segunda-feira. Antes de avançar com uma providência cautelar os empresários do sector querem ouvir o que “António Costa tem a dizer e quais são as contrapartidas”. Primeiro-ministro anuncia nova medidas esta tarde.

O presidente da Associação Portuguesa Bares, Discotecas e Animadores, Ricardo Tavares, confirmou ao Jornal Económico (JE) que o sector está a ponderar avançar com uma providência cautelar, mas aguarda mais informações por parte do governo e associados.

Num momento em que se espera que o Governo confirme o fecho de bares e discotecas antecipado para 26 de dezembro, prolongando-se se até 9 de janeiro, Ricardo Tavares admite que a providência cautelar “é uma medida que está a ser estudada por alguns empresários do sector e que estão a ver se há união para uma grande maioria se juntar e avançarem”.

“Mas achamos que ainda é cedo para estarmos a falar sobre isso”, considerou o representante da associação de bares e discotecas, sublinhando que os associados querem ouvir o que “António Costa tem a dizer e quais são as contrapartidas [monetárias] que pensa dar a todos aqueles empresários que já fizeram investimentos só para a noite de passagem de ano”. Segundo Ricardo Tavares os empresários investiram “dezenas de milhares de euros”.

Além dos investimentos, que agora representam um problema para os trabalhadores do sector, a antecedência com que se determina o encerramento das discotecas também foi criticada. “É impossível isto acontecer e num estado de direito não pode acontecer”, afirmou Ricardo Tavares que também defende que a decisão deveria ter sido anunciada “no final do mês passado” de forma a que os empresários não fizessem tantos investimentos.

Quanto às ajudas também é da opinião que deviam ter sido anunciadas no mês passado, sendo que os apoios que foram disponibilizados não foram suficientes.

“Houve ajudas do Governo, sim, mas havia balizas para essas ajudas e o problema é que grande parte dos empresários já chegaram a esses tetos de ajuda. Portanto, continuam fechados e sem apoios. Ou António Costa vai ter que retirar os tetos porque as restrições continuam”, pede o presidente da associação.

Em outubro, as discotecas deixaram de poder beneficiar do lay-off simplificado e em alternativa tiveram à sua disposição o apoio à retoma progressiva, uma medida que se ia manter acessível para todos os empregadores com quebras de faturação de, pelo menos, 25%, enquanto existissem restrições.

Agora, como explicou ontem ao JE o presidente da Associação de Discotecas Nacional, os empresários aguardam por saber se vão receber ajudas por parte do executivo de António Costa. 

“Há um compromisso de apoiar estas empresas que tiveram quebras de faturação, houve esse compromisso por parte do Ministério da Economia através do secretário de Estado do Comércio João Torres, muito na linha dos apoios anteriores e é isso que estamos a aguardar: que sejam anunciados os apoios e que saiam essas portarias”, explicou José Gouveia.

Relacionadas

Discotecas antecipam arranque do ano desafiante enquanto aguardam por apoios do Estado

Além de aguardarem apoios relativos a janeiro, o presidente da Associação Nacional de Discotecas diz que a testagem tem representado um problema para as discotecas que lutam para manter portas abertas.

Governo prepara-se para agravar medidas devido à Ómicron. Saiba o que está em cima da mesa

A possibilidade de um reforço das medidas já tinha sido sugerida pelo primeiro-ministro, mas perante um agravamento do estado pandémico em Portugal, fruto da variante Ómicron, a possibilidade passa a realidade. Esta terça-feira, o Governo vai reunir-se em Conselho de Ministros e anunciar novas medidas.
Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro no Brasil

A JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro para a exploração de espaços publicitários na linha 4 do metro de São Paulo, tornando-se no maior grupo de meios no metro do Brasil.

Timor Gap regista novas imparidades devido a investimento no consórcio do Greater Sunrise

O relatório anual da petrolífera, a que a Lusa teve acesso, regista um lucro operacional negativo de mais de 26 milhões de dólares (26,1 milhões de euros), explicando que “o aumento da perda líquida se deve principalmente às perdas por imparidade”.
Comentários