PremiumProvisões ofuscam ganhos com subida de juros na banca dos EUA

A época de resultados nos EUA está a ser marcada por um possível abrandamento económico. Na banca, os receios estão à vista, preparando-se para este cenário. Isto pesou nos números do trimestre e nas expectativas do mercado.

As empresas estão a preparar-se para um abrandamento económico, perante um cenário de inflação elevada, que a guerra na Ucrânia veio intensificar, e de escalada das taxas de juro pelos bancos centrais para tentar travar a subida dos preços. Na banca, este esforço está à vista na época de resultados nos EUA, com o reforço de provisões a ofuscar os ganhos com a subida das taxas de juro.

“As expectativas para as earnings referentes ao quarto trimestre já seriam de se esperar que fossem baixas, tendo em conta a atual conjuntura económica que deverá penalizar os resultados das empresas, sobretudo de alguns sectores mais expostos às atuais condições económicas”, diz Henrique Tomé, analista da XTB, ao Jornal Económico (JE).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPatrões querem que todas as despesas de teletrabalho fiquem isentas de IRS

Governo estuda fixar um valor até ao qual as despesas de teletrabalho estão livres de IRS. Patrões consideram positivo, mas avisam: ideal seria todos os pagamentos estarem isentos.

PremiumTaxa dos sacos de plásticos rende 2,1 milhões em sete anos

Receita arrecadada com a contribuição sobre os sacos de plástico leves nunca chegou sequer perto da estimativa do Governo. Retalhistas mudaram gramagem dos sacos, escapando à tributação.

PremiumSem alternativas ao plástico, retalho recusa fim dos sacos ultraleves

A partir de junho, está proibida a disponibilização de sacos de plástico ultraleves para embalamento ou transporte de pão, frutas e legumes. A APED contesta-o, frisando que não há alternativas adequadas.
Comentários